.
9

Análise do jogo "Guitar Hero III: Legends of Rock" para PS3 escrito por Eurogamer

Escrito por Eurogamer, nota 9 de 10, enviado por ekans,
Finalmente chegou a hora de saudar todos aqueles que querem ser lendas do Rock. Guitar Hero, finalmente regressa à nova geração, e Legends of Rock pode muito bem ser o melhor da série até à data. O jogo mantém todas as características tradicionais que deram à série o sucesso que conhece hoje, mas graças às funcionalidades proporcionadas pela nova geração, o jogo consegue ir um pouco mais além. Este título gerou grande expectativa, pois com a saída da Harmonix, os criadores da série, Guitar Hero III ficou a cargo da Neversoft, após a aquisição da RedOctane pela Activision, mas os fãs podem ficar descansados. A Neversoft, conseguiu um bom resultado mas no entanto optou pelo lema ???em equipa que ganha não se mexe??? e talvez seja esse o maior problema, pois apesar de manter todo o brilhantismo a que estamos habituados nesta série, não conseguimos deixar de sentir que o jogo podia ter ido ainda mais além. Tal sensação é ainda mais agravada pela existência de Rock Band, que parece vir dar um novo alento a este género e como tal não podemos esquecer a sua existência quando olhamos para Guitar Hero III. Como não podia deixar de ser, Legends of Rock oferece o instrumento que precisam para interagir com o jogo da melhor e mais divertida maneira. A nova guitarra preta, uma LesPaul Gibson, simplesmente linda, é ligeiramente mais pesada que as anteriores, tem um botão PS ou um botão guide, para acederem ao menu da consola e funciona a pilhas. Para que a guitarra comunique com a consola é necessário ligar um pequeno dispositivo a uma das entradas USB, mas fora estas pequenas alterações o esquema permanece inalterado e esta nova guitarra é simplesmente fenomenal. Guitar Hero III, apresenta-se visualmente idêntico aos anteriores, algo positivo artisticamente mas negativo em termos gráficos. Os menus apresentam um aspecto e design já característico e os gráficos estão mais detalhados na nova geração, nada de estrondoso, mas representam uma melhoria, pois os personagens estão mais detalhados, ganharam novas e melhores animações, e os efeitos e cenários estão mais coloridos do que nunca. Visualmente pode-se dizer que o jogo foi alvo de uma ligeira actualização para a nova geração, mas no entanto está idêntico demais ao anterior para se destacar neste aspecto. Será nas novas opções que Guitar Hero III vai cativar os fãs, pois para a nova geração foram adicionadas funcionalidades online, sendo agora possível travar confrontos ou jogar em parceria com guitarristas de todo o mundo. Estes novos modos, Online Battle e Online Co-op, chegaram para se juntarem aos já tradicionais Career, Co-op Career, Versus, Quick Play e Practice. Será no modo carreira, que inicialmente vão passar a maior parte do tempo, assim como no practice claro, pois com o progredir da vossa carreira podem desbloquear novas músicas, roupas, personagens, guitarras e acabamentos para as guitarras, estando tudo disponível para compra na loja do jogo. Escolhem o vosso guitarrista, o nome da vossa banda fictícia, que inicialmente começa a tocar na garagem e acaba a conquistar o mundo, e estão preparados para iniciar a vossa carreira. ?? preciso tocar 3 ou 4 músicas, dependendo da dificuldade, da lista apresentada e depois temos que tocar uma extra, o encore, sendo depois possível passar para um novo local ou recinto. Será nos espaços entre as transições de local que iremos assistir a pequenas sequências animadas que nos contam a história do jogo. Apesar de em pouco número, estas sequências estão muito bem realizadas e funcionam muito bem na criação de uma história assim como na introdução de novos cenários. Mais uma vez, tudo permanece familiar, mas é nas novas batalhas de guitarra que este modo ganha novo fulgor, pois são ao mesmo tempo inovadoras e refrescante. Em alguns locais após tocadas as músicas necessárias, somos desafiados para um duelo de guitarra contra verdadeiras lendas do rock como Slash, de bandas como Guns 'n' Roses e Velvet Revolver, ou Tom Morello, de bandas como Rage Against the Machine e Audioslave. Nestas batalhas ao invés de acumular Star Power vamos acumular Battle Power, que são vários ataques especiais que devemos usar para forçar o adversário a falhar as notas, ganhando o duelo antes que a música termine. Estes ataques vão desde o aumento da dificuldade a inversão de notas ou até mesmo à troca completa dos botões, enquanto outros tornam as notas difíceis de visualizar e outros aumentam o número de notas, algo que resulta extremamente divertido e pode ser repetido online. O único senão destas novas batalhas será mesmo a pouca quantidade apresentada, apenas 3 e fica um enorme desejo de mais batalhas contra outros grandes ícones do rock. Para que a diversão seja garantida, Guitar Hero III apresenta verdadeiros clássicos do rock, e não só. Um jogo desta qualidade precisa de um acompanhamento musical de grande nível, não fosse esta uma das partes mais fundamentais do jogo, e a lista de músicas ascende a mais de 70 pistas e não vai deixar ninguém descontente. Tudo depende dos gostos pessoais de cada um, mas grandes temas de bandas e artistas como Metallica, Muse, Poison, The Strokes, Bloc Party, Rolling Stones, Scorpions, Queens of the Stone Age, Guns 'n' Roses, Rage Against the Machine, The Killers, Kiss, Black Sabbath, Pearl Jam, Santana, Slipknot ou Iron Maiden, garantem que a lista de músicas seja poderosa e atraente. Os fãs podem ficar descansados que Legends of Rock não desaponta ninguém e pela primeira vez numa consola Sony, temos conteúdos adicionais, que para além de aumentar a já extensa lista, asseguram que durante muito tempo vão surgir novos temas, o que aumenta a já de si enorme longevidade. Algo a louvar é o enorme número de masters presentes no jogo. Como devem saber, o jogo apresenta covers, versões gravadas para o jogo, e masters, versões originais cedidas pelas bandas e perto de metade das músicas estão presentes nas suas versões master. Algumas músicas como a ???Talk Dirty To Me???, tiveram as suas vozes regravadas por Bret Michaels, vocalista dos Poison, e os existentes membros do Sex Pistols, voltaram ao estúdio para regravar ???Anarchy in the U.K.???. Provas do crescente sucesso desta série que começou a ganhar o respeito de várias bandas. Guitar Hero, conquistou um espaço, que agora é seu, e ganhou notoriedade graças à sua jogabilidade que consegue manter o equilíbrio perfeito entre diversão e desafio. A jogabilidade pode ser descrita como viciante, desafiadora e agradavelmente recompensadora pois quanto mais jogamos mais extras desbloqueamos e também aumentamos o domínio sobre o periférico que acompanha o jogo e lhe confere todo o carisma especial que sem ele não teria. Neste novo Guitar Hero, a jogabilidade mantém-se inalterada e apresenta todas as qualidades que conhecemos mas no entanto a Neversoft resolveu aumentar a dificuldade. Muitos foram aqueles que reclamaram um jogo mais difícil pois consideravam Guitar Hero II fácil demais, mesmo em Expert, e a Neversoft assim o fez. O jogo está um pouco mais difícil, mas não que isso seja bom ou mau, é tudo uma questão de gosto pois muitos vão tomar gosto ao maior número de notas presentes nas músicas, de maneira a aumentar a dificuldade, enquanto outros se vão sentir ligeiramente desapontados por tocar notas que não parecem ir de acordo com a música, criando por vezes um sentimento estranho que afasta o jogo daquele sentimento de que realmente estamos a tocar a música. A Neversoft, também aumentou a dificuldade através da disposição das notas o que se evidencia mais em certas músicas, e com o aumento da dificuldade, sendo preciso maior destreza e precisão ao alternar notas e ao movimentar a mão. Guitar Hero III: Legends of Rock, não é o grande salto qualitativo que tanto se esperava, sendo na realidade uma continuação de tudo o que de bom a série já nos deu. Uma aposta pelo seguro da Neversoft, que mesmo assim consegue criar o melhor da série até à data, e Guitar Hero III está viciante e divertido como nunca mas se anteriormente o jogo estava sem competição, agora existe Rock Band, que é uma proposta muito atractiva e a ter em conta, pois segue o mesmo modelo e a mesma fórmula de sucesso mas adiciona algumas novidades muito promissoras. Legends of Rock, não desilude, pelo contrário, mas para o ano será preciso evoluir mais, mas por enquanto, todos vão querer ser lendas do rock.
Fonte: Eurogamer
ekans
Enviado por ekans
Membro desde
label