.
9

Análise do jogo "Deus Ex: Mankind Divided" para PS4 escrito por Eurogamer

Escrito por Eurogamer, nota 9 de 10, enviado por rufinostrong,
por Jorge Loureiro Publicado 05/09/2016 Se sempre sonhaste em ser um espião mecanicamente modificado e de desvendar teorias da conspiração numa sociedade futurista, não procures mais, Deus Ex: Mankind Divided é o jogo indicado para ti. Continuando a história estabelecida por Deus Ex: Human Revolution em 2011, que mostrava a sociedade humana depois da descoberta dos augments (melhorias e membros mecânicos para o corpo humano que aumentam as suas capacidades), Mankind Divided é a nova entrega da Eidos Montreal, que depois de ser fundada em 2007, ficou responsável por revitalizar a saga Deus Ex. A missão foi cumprida com Human Revolution, mas será que Mankind Divided consegue superá-lo? Em grande parte, Mankind Divided é uma experiência familiar, mas a jogabilidade, no que toca à fluidez de movimentos e possibilidades de abordagem às situações, está melhor. Adam Jensen, a personagem que controlamos, está de volta e descobre que tem augments experimentais e altamente poderosos escondidos no seu corpo. Alguns destes augments experimentais são especialmente úteis, no entanto, para os activarem vão precisar de desactivar outros augments (caso contrário o corpo de Jensem entra em sobrecarga). Embora isto possa parecer um factor limitador abusado, não o é. Tudo depende da vossa forma de jogar. Existem augments mais apropriados para a acção, e portanto, se preferem uma abordagem stealth, esses augments são praticamente inúteis e podem ser desactivados. De qualquer forma, esta limitação não dura para sempre, já que Adam Jensen eventualmente terá acesso a todas as suas modificações. Se nunca jogaram Human Revolution, não precisam de ter medo de entrar no mundo de Mankind Divided. Antes de começarmos a história, o jogo pergunta-nos se queremos ver um vídeo que resume os eventos anteriores. Isto é útil tanto para novos jogadores, que deste modo ficam uma ideia do que aconteceu antes, como para fãs, que podem precisar de avivar a memória. O vídeo dura 12 minutos e cobre todos os pontos centrais da história de Human Revolution. O enredo de Mankind Divided apoia-se fortemente no final de Human Revolution, em que as pessoas modificadas se tornaram temporariamente em lunáticos assassinos, portanto, a existência de um contexto é crucial. Mankind Divided, que decorre dois anos após Human Revolution, mostra um conflito dentre os humanos "naturais" (isto é, sem modificações) e os humanos augmented. Devido ao incidente do jogo anterior, os humanos augmented estão a ser oprimidos e mal-tratados pela sociedade. É uma imagem completamente diferente de Human Revolution, que mostrava os augmented a prosperar. A cidade de Praga, que é o grande palco dos eventos de Mankind Divided, retrata bem esta opressão. As ruas estão cheias de forças policiais bem armadas e existem linhas de metro diferentes só para os augmented. A tensão é palpável. No meio deste conflito está Adam Jensen, que agora trabalha a a Force Task 29, uma força antiterrorista fundada pela Interpol. [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=mP8f7UOn88k[/youtube] A melhor parte de Mankind Divided é a liberdade de jogar como quisermos. Esta liberdade de escolha começa com a árvore de habilidades de Adam Jensen. Como referi logo no início, existem melhorias apropriadas para acção e outras mais orientadas para stealth, pelo que devem escolher as habilidades que se adaptem à vossa forma de jogar. Quanto a vocês não sei, mas parece-me que Deus Ex tem mais piada se tentarem ao máximo concluir as missões sem serem avistados. Teoricamente podem entrar em todos os sítios disparando primeiro e perguntando depois, mas na sua génese, Deus Ex é maioritariamente um jogo de stealth. A liberdade de jogarmos como quisermos vem do brilhante design dos níveis. Não existe apenas uma forma de entrar num local. As condutas de ar são muitas vezes uma maneira de entrar num local à socapa, mas existem alternativas. É possível obter palavras-passes e códigos através das secretárias de bolso ou, por vezes, podemos convencer um NPC a ajudar-nos. Também existem atalhos muito escondidos. Quantas vezes cheguei ao final de um objectivo apenas para depois descobrir que existia uma forma muito mais fácil. Alguns dos caminhos requerem habilidades específicas. Algumas condutas de ar estão num sítio elevado, logo vão precisar da habilidade que vos permite saltar mais alto. O Remote Hacking também dá extremamente jeito, já que permite desactivar à distância turrets, sentinelas e lasers. [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=JAHlqPfUzRk[/youtube] Mankind Divided é um jogo em semi-mundo aberto. Praga está divida em várias secções, e para trocarmos de secção, temos que viajar de Metro. Cada uma das áreas da cidade não é propriamente gigante, mas são muitos os segredos escondidos. Este é um jogo em que realmente dá gosto explorar e somos recompensados por isso, tanto é que completei todas as sidequests que encontrei. Por exemplo, existe um banco em Praga com cofres de grandes corporações aos quais apenas podemos aceder com cartões especiais. O jogo não nos diz onde estão esses cartões, pelo que nos cabe explorar todos os recantos. Aliás, a liberdade de exploração é tanta que cheguei a entrar em locais fechados que faziam parte de sidequests que encontrei mais adiante. Praga não é único local que vão visitar em Deus Ex: Mankind Divided. A quest principal leva-nos por vezes para fora da cidade, no entanto, essas áreas só podem ser acedidas naquele momento específico da história. Também existe sidequests que são automaticamente canceladas se progredirem na história, mas pelo menos, o jogo avisa-nos. Praga é uma cidade diferente de Detroit e de Xangai (os HUBs de Human Revolution), apresentando arquitectura clássica misturada tecnologia vanguardista. As ruas principais têm muitas vezes ruas mais estreitas e escuras, onde é comum encontrarmos caminhos alternativos. É verdade que Mankind Divided tem apenas uma cidade (o jogo anterior tinha duas), mas pelo lado positivo, Praga é mais memorável, detalhada e tem mais oportunidades de exploração do que Detroit e Xangai. [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=N6hi1X7Nbko[/youtube] Melhor e mais refinado do que Human Revolution. Deus Ex: Mankind Divided é ideal para quem gosta de stealth, conspirações e exploração. Partilha: Facebook17 Twitter Google+ Reddit por Jorge Loureiro Publicado 05/09/2016 Se sempre sonhaste em ser um espião mecanicamente modificado e de desvendar teorias da conspiração numa sociedade futurista, não procures mais, Deus Ex: Mankind Divided é o jogo indicado para ti. Continuando a história estabelecida por Deus Ex: Human Revolution em 2011, que mostrava a sociedade humana depois da descoberta dos augments (melhorias e membros mecânicos para o corpo humano que aumentam as suas capacidades), Mankind Divided é a nova entrega da Eidos Montreal, que depois de ser fundada em 2007, ficou responsável por revitalizar a saga Deus Ex. A missão foi cumprida com Human Revolution, mas será que Mankind Divided consegue superá-lo? Em grande parte, Mankind Divided é uma experiência familiar, mas a jogabilidade, no que toca à fluidez de movimentos e possibilidades de abordagem às situações, está melhor. Adam Jensen, a personagem que controlamos, está de volta e descobre que tem augments experimentais e altamente poderosos escondidos no seu corpo. Alguns destes augments experimentais são especialmente úteis, no entanto, para os activarem vão precisar de desactivar outros augments (caso contrário o corpo de Jensem entra em sobrecarga). Embora isto possa parecer um factor limitador abusado, não o é. Tudo depende da vossa forma de jogar. Existem augments mais apropriados para a acção, e portanto, se preferem uma abordagem stealth, esses augments são praticamente inúteis e podem ser desactivados. De qualquer forma, esta limitação não dura para sempre, já que Adam Jensen eventualmente terá acesso a todas as suas modificações. Se nunca jogaram Human Revolution, não precisam de ter medo de entrar no mundo de Mankind Divided. Antes de começarmos a história, o jogo pergunta-nos se queremos ver um vídeo que resume os eventos anteriores. Isto é útil tanto para novos jogadores, que deste modo ficam uma ideia do que aconteceu antes, como para fãs, que podem precisar de avivar a memória. O vídeo dura 12 minutos e cobre todos os pontos centrais da história de Human Revolution. O enredo de Mankind Divided apoia-se fortemente no final de Human Revolution, em que as pessoas modificadas se tornaram temporariamente em lunáticos assassinos, portanto, a existência de um contexto é crucial. Mankind Divided, que decorre dois anos após Human Revolution, mostra um conflito dentre os humanos "naturais" (isto é, sem modificações) e os humanos augmented. Devido ao incidente do jogo anterior, os humanos augmented estão a ser oprimidos e mal-tratados pela sociedade. É uma imagem completamente diferente de Human Revolution, que mostrava os augmented a prosperar. A cidade de Praga, que é o grande palco dos eventos de Mankind Divided, retrata bem esta opressão. As ruas estão cheias de forças policiais bem armadas e existem linhas de metro diferentes só para os augmented. A tensão é palpável. No meio deste conflito está Adam Jensen, que agora trabalha a a Force Task 29, uma força antiterrorista fundada pela Interpol. [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=ThbUu__JUQU[/youtube] Mais sobre Deus Ex: Mankind Divided Antevisão: Porque é que Deus Ex: Mankind Divided pode ser um dos melhores jogos da E3 2015 Não podes matar o progresso. Notícias: Revelado primeiro DLC para Deus Ex: Mankind Divided Será lançado ainda em Setembro. Notícias: Top Reino Unido: Deux Ex rouba primeiro lugar a F1 Mas vendeu menos do que Human Revolution. Deus Ex: Mankind Divided mostra as suas imagens GamescomDeus Ex: Mankind Divided mostra as suas imagens GamescomDeus Ex: Mankind Divided mostra as suas imagens Gamescom Screenshots: Deus Ex: Mankind Divided mostra as suas imagens Gamescom A melhor parte de Mankind Divided é a liberdade de jogar como quisermos. Esta liberdade de escolha começa com a árvore de habilidades de Adam Jensen. Como referi logo no início, existem melhorias apropriadas para acção e outras mais orientadas para stealth, pelo que devem escolher as habilidades que se adaptem à vossa forma de jogar. Quanto a vocês não sei, mas parece-me que Deus Ex tem mais piada se tentarem ao máximo concluir as missões sem serem avistados. Teoricamente podem entrar em todos os sítios disparando primeiro e perguntando depois, mas na sua génese, Deus Ex é maioritariamente um jogo de stealth. A liberdade de jogarmos como quisermos vem do brilhante design dos níveis. Não existe apenas uma forma de entrar num local. As condutas de ar são muitas vezes uma maneira de entrar num local à socapa, mas existem alternativas. É possível obter palavras-passes e códigos através das secretárias de bolso ou, por vezes, podemos convencer um NPC a ajudar-nos. Também existem atalhos muito escondidos. Quantas vezes cheguei ao final de um objectivo apenas para depois descobrir que existia uma forma muito mais fácil. Alguns dos caminhos requerem habilidades específicas. Algumas condutas de ar estão num sítio elevado, logo vão precisar da habilidade que vos permite saltar mais alto. O Remote Hacking também dá extremamente jeito, já que permite desactivar à distância turrets, sentinelas e lasers. Mankind Divided é um jogo em semi-mundo aberto. Praga está divida em várias secções, e para trocarmos de secção, temos que viajar de Metro. Cada uma das áreas da cidade não é propriamente gigante, mas são muitos os segredos escondidos. Este é um jogo em que realmente dá gosto explorar e somos recompensados por isso, tanto é que completei todas as sidequests que encontrei. Por exemplo, existe um banco em Praga com cofres de grandes corporações aos quais apenas podemos aceder com cartões especiais. O jogo não nos diz onde estão esses cartões, pelo que nos cabe explorar todos os recantos. Aliás, a liberdade de exploração é tanta que cheguei a entrar em locais fechados que faziam parte de sidequests que encontrei mais adiante. Praga não é único local que vão visitar em Deus Ex: Mankind Divided. A quest principal leva-nos por vezes para fora da cidade, no entanto, essas áreas só podem ser acedidas naquele momento específico da história. Também existe sidequests que são automaticamente canceladas se progredirem na história, mas pelo menos, o jogo avisa-nos. Praga é uma cidade diferente de Detroit e de Xangai (os HUBs de Human Revolution), apresentando arquitectura clássica misturada tecnologia vanguardista. As ruas principais têm muitas vezes ruas mais estreitas e escuras, onde é comum encontrarmos caminhos alternativos. É verdade que Mankind Divided tem apenas uma cidade (o jogo anterior tinha duas), mas pelo lado positivo, Praga é mais memorável, detalhada e tem mais oportunidades de exploração do que Detroit e Xangai. Como um jogo de Stealth, Deus Ex: Mankind Divided oferece tudo aquilo que os fãs do género podiam esperar. É possível chegar ao fim sem tirar uma única vida (incluindo o boss) e sem serem detectados, embora esta última seja particularmente difícil na primeira playthrough devido à limitação de habilidades. A forma mais tradicional de jogar é aproximarem-se sorrateiramente dos inimigos e eliminá-los um por um, mas por outro lado, são comuns atalhos que nos permitem ignorar grande parte dos inimigos. É extremamente divertido estudar as várias formas de concluir um objectivo. Este é um daqueles jogos que continua a ser fascinante mesmo quando jogado uma segunda vez, pois ainda é possível descobrir coisas novas. O modo New Game Plus, desbloqueado depois de concluírem a história pela primeira vez, feio facilitar isto, permitindo que recomecem a história sem perderem as habilidades desbloqueadas. "Deus Ex: Mankind Divided oferece tudo aquilo que os fãs do género podiam esperar" As escolhas morais também está de volta e não conseguem fugir delas. Em momentos importantes Deus Ex: Mankind Divided coloca-nos entre a espada e a parede, forçando-nos a decidir entre uma coisa ou outra. Naturalmente, estas escolhas têm consequências e influenciam o rumo da história, tanto é que o jogo tem diferentes finais. A história não é cativante como a de Human Revolution, e no final, sentimos que tudo o que fizemos foi inútil. Claro que, não foi completamente inútil, mas não existe a sensação de resolução. Isto em parte é culpa do jogo parecer que se situa no meio de uma trilogia. O teaser mostrado nos créditos dá a entender que haverá um terceiro jogo, e portanto, Mankind Divided foi apenas um ponto intermédio. Como tal, a história não chegou ao fim. A história de Mankind Divided não má, longe disso, a única questão é que Human Revolution deixou a parada elevada. Depois de concluírem a história pela primeira vez, podem, como já referi, jogar novamente em New Game Plus mantendo todas as habilidades que desbloquearem. Também existe um modo chamado Breach, que transforma a experiência de Deus Ex em algo mais arcade. Neste modo o jogo ganha um visual semelhante ao filme Tron e desafia-vos a passar por vários níveis sorrateiramente. O objectivo é transferir os dados das torres e coleccionar fragmentos de dados. É um modo que oferece algo diferente e que serve para entreter, mas o prato principal é mesmo a história. Deus Ex: Mankind Divided não é uma experiência radicalmente diferente de Human Revolution, mas há melhorias notáveis na jogabilidade e no design dos níveis. A história não é tão cativante, mas a sensação de exploração e de liberdade ajudam a compensar. Se gostas da temática cyberpunk, de uma história que envolve grandes conspirações e stealth, Deus Ex: Mankind Divided é tudo aquilo que procuras.
Fonte: Eurogamer
rufinostrong
Enviado por rufinostrong
Membro desde
29 anos, SP
label