.
76

Análise do jogo "Star Fox: Assault" para GC escrito por E-Zine/MyGames

Escrito por E-Zine/MyGames, nota 76 de 100, enviado por Giordano Trabach,
Fox McCloud regressa ao nosso convívio para uma nova aventura na pequena GameCube. Podíamos iniciar assim a nossa análise mas, este novo episódio é muito mais que um regresso. De facto, estamos perante uma verdadeira viagem até às origens da série, uma boa mais-valia para os muitos coleccionadores deste género de jogos. Depois de vivermos uma grande aventura com muita acção pelo meio, McCloud coloca-nos de novo num jogo de acção pura que, a cada instante, muda de cenário, cenários estes, aparentemente, inspirados em jogos da concorrência. ?? inevitável falar nisto, pois, o primeiro nível que decorre no espaço, é, claramente, uma imitação do jogo Rebel Strike! Este novo jogo oferece à equipa de Fox McCloud um novo membro, ou melhor, uma escultural e feminista personagem que se chama Krystal. O enredo é o do costume, somos o herói e o nosso objecto é defender o planeta das patas dum malfeitor, neste caso, Oikonny. Para que tudo corra como deve ser, o nosso herói tem de seguir o caminho mais complicado e, em vez de ficar sentado a defender o planeta, vai ter de atacar todos os inimigos. Depois de eliminarmos todos os inimigos, Oikonny é colocado na prisão. Mas acontece que ele está rodeado de cientistas malucos, que inventam um pouco de tudo, sobretudo, máquinas que o defendem a todo o custo. No entanto, quando estiverem frente a frente com ele, ataquem as suas mãozinhas... A ideia geral do jogo era refrescar um pouco a série, dando um novo rumo à sua estória e modificando o seu género. Se esta era a ideia dos seus criadores, posso garantir que foi parcialmente conseguida. Passar de uma aventura para um jogo de acção, surpreende-nos sempre. O facto de não existir uma inovação pura em todo o seu conceito, isto é, ser um novo género sobre a mesma base, é que não nos parece bem, pois, mudar de género, mas manter todos os elementos anteriores, torna a mudança pouco significativa. A entrada de Krystal e o regresso de Falco é interessante, mas ambas as personagens já eram conhecidas de outras aventuras. Uma das debilidades deste jogo é a sua fraca jogabilidade. ?? fácil controlar as naves e disparar uns tiros mas, quando entramos nas batalhas mais complicadas, a câmara de jogo não consegue seguir-nos, nem nos dá o campo de visão ideal para nós. Este facto obriga-nos a ajustar a câmara constantemente. E não se esqueçam de coleccionar os ???10 silver badges???, para desbloquearem o jogo Xevious que teve o seu auge no ano de 1982. Em termos de durabilidade, StarFox Assault é um jogo que garante várias horas de jogo, para além de oferecer um modo multijogador para quatro jogadores. ?? talvez a segunda mais-valia que a Namco inseriu no seu jogo, logo a seguir à oportunidade de conduzirmos veículos. Graficamente consegue dar-nos uma experiência engraçada, mas sem sabor. Reparem num pormenor, o último episódio colocou-nos no meio de um lindo planeta, cheio de cor e de vida, este novo jogo, coloca-nos na maior parte da acção em zonas insípidas, com uma cor esbatida, ou no espaço, onde o preto impera e as naves não ajudam. Claro que tem cenários interessantes em alguns dos seus níveis, mas, no geral, podia estar muito melhor. Os efeitos sonoros, curiosamente, escapam e revelam-se engraçados, com momentos de humor, especialmente quando todas as personagens resolvem chatear-se entre si e começar à ???batatada???. StarFox Assault não é uma desilusão, é antes uma nova viragem no rumo da série. Nota-se que a Namco quis mexer em todo o seu conceito e por isso mesmo, não podemos deixar de aplaudir a ideia. Mas, para os fãs de Fox McCloud, este novo episódio merecia uma outra afinação. Resta-nos esperar pelo próximo... [t2]Prós:[/t2] [list]O Extra colocado pela Namco O modo multijogador[/list] [t2]Contras:[/t2] [list]Muito repetitivo[/list]
Fonte: E-Zine/MyGames
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label