GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Forza Motorsport 4 para X360 de Eurogamer

por Anônimo, fonte Eurogamer, data  editar remover


Com Forza Motorsport 4 a Turn 10 entrega o terceiro jogo da série exclusivamente para a Xbox 360. Em quatro anos a produtora soma três jogos e se considerarmos o primeiro Forza lançado em 2005 no final de vida da Xbox temos um total de quatro jogos em seis anos. É muito serviço. Alguns dirão que será oferta a mais. Seria possível fazer menos jogos no mesmo tempo de modo a tornar mais visível o salto qualitativo entre eles. Mas o que este percurso também mostra é que por cada nova versão editada a Turn 10 conseguiu sempre desenvolver com sucesso determinados aspectos que marcaram a diferença para o jogo anterior, mantendo um nível de alcance e progresso dentro das expectativas exigidas pelos fãs. Como se em cada um o selo de qualidade tivesse sido atingido.

Tomando em conta os jogos lançados para a 360, vimos no Forza 2 que o factor de maior destaque foi toda a envolvência e admiração pelos automóveis rápidos em circuito fechado. O impulso gráfico e as faculdades on-line da consola garantiram um imediatismo que perdurou nessa fase. Em Forza 3 o desenvolvimento em torno das comunidades on-line e da competição organizada em rede ditaram uma sequência que se manteve na linha do sucesso anterior. Agora, com Forza 4, estamos perante um sublimar de tudo o que pudemos ver para trás e de um novo cruzamento de funções que tornam a experiência ainda mais interessante.
'Forza Motorsport 4' Screenshot 1

Estúdio do Top Gear faz parte dos espaços adequados às fotografias.

Como quem prefere dar passos seguros, Dan Greenwalt não se enche de meias medidas e que o caminho que a Turn 10 trilha, nesta paixão pelo automóvel e desporto automóvel, não se faz sem deixar de ter no horizonte o que a concorrência é capaz de fazer. A ambição por mais e melhor continua a ser determinante. Quando perguntaram a Greenwalt porque é que não incluiu mudanças climatéricas em tempo real e não implementou um sistema de transição do dia para a noite nos mesmos moldes, ele respondeu alegando escassez de recursos e que não pode sobrecarregar "staff" afectado a um ponto específico com uma nova tarefa.

É verdade que há um risco em se deitar muito do esforço a perder quando se tem uma experiência segura e se acrescentam elementos que podem afectar aquilo que foi consolidado e uma marca nos últimos tempos. Os 16 pilotos on-line no multiplayer poderiam condicionar a fluidez gráfica uma vez sujeitos às condições meteorológicas e transições ao longo do dia. Depois também há algum interesse dos produtores em colocar o peixe a render o máximo. Ninguém gosta de queimar os trunfos à primeira oportunidade. É uma opção sempre discutível, mas cuja decisão final lhes cabe. Não escondemos que esperávamos um pouco mais. De qualquer modo o próximo passo na série deverá traduzir já uma reformulação desse conceito de paixão automóvel que a Turn 10 tão bem o sabe fazer.
Novos efeitos luminosos nos automóveis
'Forza Motorsport 4' Screenshot 2

Não há limites para as pinturas e decalques.

Forza tem tido no grafismo um dos seus principais argumentos. Sólido como uma rocha nos 60 fps, é impressionante percorrer secções de pistas conhecidas (como Nurburgring, p.ex.) a alta velocidade, ultrapassando adversários sem sentir o mínimo abrandamento. Isto é um "british biff", mas a verdade é que na versão prévia os modelos automóveis acusavam já alguma palidez quando confrontados com as propostas mais recentes lançadas pela concorrência. Assim, para Forza 4, os produtores desenvolveram uma nova tecnologia gráfica de iluminação dos automóveis que lhes confere um aspecto altamente realista, polido, capaz de reflectir todo o ambiente envolvente.

Isso é logo visível nos ecrãs de escolha dos veículos. Os carros têm um aspecto tão brilhante, tão novo, tão acabados de sair do stand, que até mete alguma pena dar um primeiro toque nalgum piloto adversário, esmurrando um pedaço do carro e sujando a bela pintura. Depois, quando se conduz e se leva para a pista uma daquelas máquinas com vidro traseiro sobre o motor, como sucede com o Ferrari 458 Itália, vemos o reflexo completo do céu em movimento. Mas não é só isso. Os cromados brilham nos clássicos e as pinturas exibem um colorido que deixam até o mais comercial dos carros especialmente atraente.

Mas nem só os novos efeitos luminosos sobre os carros lhes atribuem maior destaque. Os carros foram objecto de um tratamento suplementar, especialmente no interior. Remodelados e com um aspecto mais detalhado, conduzir por dentro é um motivo de particular atracção. Enquanto que no jogo anterior a zona do volante se mostrava algo vazia, agora podemos encontrar mais botões e uma distancia maior para o volante, assim como um ângulo de visão mais alargado até aos espelhos (esquerdo), o que nos permite uma clara atenção para os adversários que nos precedem.

Assim é mais fácil criarmos afinidades com veículos da nossa preferência, como também a condução através da perspectiva interior se torna mais autêntica. Nos carros do DTM é possível perceber a posição central do piloto, muito distante de um carro normal, como se estivessem a bordo de uma nave espacial. No caso do Peugeot da categoria LMP1 de Le Mans desta vez a reprodução mais autêntica mostra como o vidro para o exterior é mais curto e como a cápsula onde vai sentado o piloto encontra-se repleta de tubos e fios. É bom constatar estas diferenças entre os vários veículos das classes S a E e dos R1 a R3.

Se escolherem por exemplo um carro da categoria R2 (correspondente aos GT1 de Le Mans ou FIA GT1), como o Aston Martin 007 vão descobrir que não só o interior está diferente e mais pormenorizado como agora o barulho do motor produz um som mais realista, metálico. Anteriormente os veículos produziam barulhos muito semelhantes e o ruído saía muitas vezes de uma forma abafada, o que não era suficiente para os distinguir. Quem vê aqueles carros num autódromo sabe como os veículos do GT3 e GT1 (R3 e R2) se manifestam ruidosamente. Ora, dentro dos veículos de competição eles distinguem-se melhor por força do barulho dos motores, mais realista e também ele capaz de ditar alguma adrenalina quando se descrevem curvas a maior velocidade.
Ferrari 458 Italia como cabeça de cartaz
'Forza Motorsport 4' Screenshot 3

F458 Italia, parceiro estratégico de FM4.

A Turn 10 escolheu o Ferrari 458 Italia para figurar na capa do jogo. É um carro que transmite grandes sensações; vermelho, arrojado, tecnicamente evoluído, dotado de grandes especificações resultantes da F1, serve bem como ponto de partida de exploração do modo Autovista, levando os jogadores a percorrer os detalhes dos automóveis e dados técnicos de uma forma inédita.

Não contamos todos os automóveis presentes em Forza 4, mas são várias centenas de veículos à escolha, distribuídos por clássicos, modelos mais recentes e até alguns protótipos. Os carros de estrada agrupam-se entre as letras A a E e S. Os veículos de competição vão desde os R3 (menos potentes) até aos R1 (protótipos de Le Mans). As principais marcas estão devidamente representadas, com veículos para todos os segmentos. Desta vez e primeira vez na história da série há uma ausência de peso, a Porsche. A construtora germânica com sede em Estugarda e Leipzig detém alguns dos mais bonitos e impressionantes carros do mundo, para além de clássicos que triunfaram imensas vezes em Le Mans. Boa parte deles já figuraram nos jogos recentes.

Lamentavelmente perdeu-se o acordo que a Turn 10 mantinha com a EA, que até aqui permitia o licenciamento dos veículos ( a Porsche fez um acordo de exclusividade com a EA, mas a EA partilhava a licença com a Turn 10). É provável que no futuro a situação se mantenha, já que a presença de poucos Ruf (construtora que altera os POrsche) é manifestamente insuficiente para saciar quem nutre interesse pela marca. Mas nem por isso deixam de sobrar motivos para festejar. Destaca-se a presença de outros carros marcantes como a extensa lista de clássicos da Ferrari, Jaguar, Koenig, Audi, BMW, Aston Martin. Dos SUV até aos Sedan, da Ásia aos Estados Unidos, não faltam à chamada muitos dos carros que fazem parte do nosso imaginário e das capas de revista.
Autovista com a colaboração Top Gear

O Autovista é um modo inteiramente novo que permite um contacto mais próximo com alguns dos automóveis presentes no jogo. É compreensível a decisão da Turn 10 em limitar os carros presentes neste modo. Trata-se de uma forma que permite observar de perto veículos actuais e clássicos que pontuam e pontuaram a evolução automóvel. Através do Autovista poderão aproximar-se dos veículos e conhecer pormenores e detalhes marcantes. Abrir as portas e enfiarem-se no banco do condutor ou passageiro é outra nota marcante. Ao percorrerem o carro ganham relevo alguns pontos. Tocando neles é exibida informação sobre esse ponto específico. Da mala ao motor tudo é revelado. Este exame a pente fino contou com a colaboração da equipa que faz o Top Gear, o que é sempre interessante para um estilo narrativo mais descontraído sobre a história dos carros, com narração nalguns carros do afamado Jeremy Clarkson. Ficámos a saber, por exemplo, que o Ford GT dos anos sessenta foi a resposta em pista para Le Mans do construtor americano depois de Enzo Ferrari acabar com a ideia de vender a sua fábrica à Ford.
'Forza Motorsport 4' Screenshot 4

Top Gear forneceu a pista e colaboração extensa no Autovista.

É sempre bom ficar a saber mais sobre os carros e como se não bastasse toda a atenção posta no detalhe e na exibição pornográfica destes modelos, podemos ligar a chave e acelerar com o carro que acabamos de conhecer numa pista para uma volta rápida. Fotografar os veículos está diferente e melhor. Agora temos cinco localizações que servem de enquadramento e que permitem obter uma imagem mais realista e fenomenal sobre algum carro que tenhamos na garagem. Desde a estrada curvilínea nos picos da Europa, passando pela pista do Top Gear, até um armazém, um holofote e pelos estúdios do Top Gear, é possível enviar para o site do jogo imagens que dariam autênticas capas de revista. A qualidade das imagens é significativamente melhor quando obtida nestes espaços do que nas corridas. É indisfarçável a ligação com o "photo mode" de GT5 que neste âmbito tem uma amplitude avassaladora, mas os fãs do "car porn" vão deliciar-se com a exibição das pinturas exclusivas, aproveitando ao máximo esta função.
Périplo mundial reforçado

Forza M 4 conta com a maioria das pistas presentes em FM3, mas quase todas foram retocadas e alteradas nalguns pormenores. Por exemplo, na pista Camino Viejo de Montserrat após a descida até ao primeiro gancho, a parede rochosa do lado direito desapareceu. Há mais algumas pequenas alterações, embora de um modo geral todas as pistas tenham uma apresentação significativamente melhorada.

Apesar de permanecer o núcleo de pistas do jogo anterior ainda assim importa assinalar que a pista no centro de Nova Iorque já não está disponível (pessoalmente nunca senti que fosse um traçado particularmente atraente), mas chegaram 6 novos circuitos, sendo um deles, o Bernese Alps, o único fictício. Sendo esta uma pista rápida e com algumas secções interessantes é também demasiado imaginária com algumas curvas de exagerada dimensão que remetem constantemente os carros para uma sensação em curva pouco estimulante. Construída na grande altitude dos Alpes, proporciona alguns fundos interessantes e as montanhas cobertas de neve geram efeitos visuais destacados. Entre subidas e descidas lembra mais depressa circuitos abertos como o da ilha de Man, um pouco à semelhança do Rally di Positano.
'Forza Motorsport 4' Screenshot 5

As corridas sobem aos Alpes.

Quem prefere famosos e reais circuitos fechados nem por isso ficará descontente. Com a chegada dos germânicos Hockenheim Ring e Nurburgring, na pista reservada ao actual grande prémio, diria que esta última é a mais interessante. Nurburgring impressiona particularmente pela forma como as curvas se sucedem vertiginosamente, com um ondulado no asfalto capaz de fazer tremer os veículos quando se imprime força no acelerador. É uma pista maioritariamente rápida e agradável, com bons pormenores. Já o Hockenheimring não conta com tantas secções rápidas e antes aponta para um estilo de condução mais técnico. O terceiro circuito licenciado é o Infineon Raceway (situado a norte de São Francisco), um circuito bastante interessante e rápido especialmente no primeiro terço. A aproximação à reta faz-se a grande velocidade, com secções onde se pode arriscar mais, antes da travagem forte para o gancho que precede a meta.

O circuito de Indianápolis permite correr na versão oval - a mítica Indianápolis -, mas também no miolo, na antiga pista que serviu a F1. Por fim temos a pista do Top Gear, onde se realizam os testes do famoso programa automóvel da BBC. É a última das entradas. Trata-se de um circuito interessante por permitir correr numa pista em forma de oito com a possibilidade de encontrar adversários a meio da corrida (que estejam mais atrasados ou avançados) e chocar com eles. Diria que dos novos circuitos os que mais me impressionaram são Nurburgring e Infinion Raceway.

Apesar de não existir transição entre o dia e a noite, os produtores criaram corridas com diferentes condições diurnas. Assim poderão correr em indianápolis com a primeira claridade do dia, numa apresentação mais escura da pista, mas com uma claridade luminosa espectacular no horizonte, sendo que nalgumas secções os primeiros raios de sol invadem literalmente o cockpit num belo efeito. Haverá outras corridas ao meio-dia, já com imensa luz e uma claridade abundante sobre a pista, assim como corridas ao fim-de-tarde. Este sistema não dinâmico traz já algumas vantagens e oferece uma perspectiva diversa da mesma pista. Estas diferentes condições em nada afectam a fluidez de jogo.
Condução mais entusiasmante
'Forza Motorsport 4' Screenshot 6

Os interiores oferecem um outro nível de detalhe.

A condução foi alvo de algumas mudanças e para melhor. Uma das coisas que não estava tão bem nos jogos anteriores era a possibilidade de travar tarde e muitas vezes só a mudança manual de velocidades, em redução, era suficiente para abrandar a velocidade em curva, o que permitia ter quase sempre o carro em curva como queríamos e as saídas de pista eram quase todas provocadas por excessos de acelerador à saída das curvas por falta do controlo de tracção. Muitos chegavam a fazer boa parte do grande Nurburgring quase sem pressionar o travão, o que não é muito exequível quando estamos diante de um jogo com pretensões de simulador. Apesar de ficar com a impressão de que ainda há margem para melhorar e apimentar a condução até ao fio da navalha, nota-se que os carros têm mais peso e que a deslocação em pista não é tão arbitrária, como que existindo em curva uma força contrária que nos empurra para o lado ao posto. Isso é notório quando atacamos uma curva de forma mais agressiva e queremos manter o carro em pista, sentimos as vibrações.

Existe uma maior trepidação no interior do carro quando se trava e acelera. Ao passar por cima dos correctores mais elevados o carro oscila com mais força. Os puristas vão acabar por desligar a maioria das ajudas, desde ABS a controlo de tracção, para melhor sentirem o carro e as diferentes reacções do mesmo. A única ajuda que não prescindo por força de algumas pistas é a linha de orientação em curva para o "timming" da travagem". Importa referir que tentativas para ganhar tempo como o corte das chicanes não sofrem penalização de tempo, mas em vez disso o carro fica colado por mais tempo ao piso envolvente, demorando no regresso à pista.

Este novo estilo de condução permite uma nova abordagem na descoberta dos limites do carro. É mais evidente o ruído provocado pelas rodas em esforço e esse é o primeiro sinal que nos leva a tomar alguma precaução. Quer-me parecer que a Turn 10 pensou mais na concorrência para estes ajustes, mas fê-lo bem e só beneficiou com estas mudanças. Os adversários reagem bem e andam bem em pista, sem estragar corridas ou seguir linhas, não deixam de arriscar a recuperação de posições e tendem a adaptar-se ao nosso estilo de condução, ainda que sejam muitas vezes demasiado imprevisíveis, principalmente quando rodamos no encalço de alguns e acabamos por causar embates desnecessários por força dos "brake tests". Se corremos na dificuldade máxima e arriscamos uma ultrapassagem o mais certo é que eles fechem a vossa trajectória e fiquem à frente pressionando excessivamente o travão.

Qualquer embate, nem que seja um pequeno encosto, causa de imediato uma afectação do carro no ponto tocado. Desde riscos a ópticas quebradas, os danos normais ficam imediatamente assinalados. No entanto os embates mais fortes contra barreiras estão longe de causar grande impacto. Se correrem com os dados apontados à simulação (desgaste de pneus e motorização), podem ficar impossibilitados de prosseguir com falhas de motor e na transmissão (isso é visível num quadro que vos mostra uma espécie de raio X do automóvel). Já não gostamos, porém, que nos embates provocados a mais de 200 km/h o máximo que o carro perde é um spoiler e fique com umas arranhadelas na zona de impacto. Pouca coisa para mais que certos grandes estragos nas provas a sério. É sabido que a Turn 10 lida com pressões dos fabricantes para minimizar os estragos nos automóveis, mas parece-nos que para esta versão os danos ficam atrás do que se viu em FM3.
Modo carreira reforçado pelos rivals
'Forza Motorsport 4' Screenshot 7

Desafiar os amigos será uma constante. Conseguirão resistir à pressão da volta rápida?

O modo carreira é composto por uma "tourné" mundial que se reparte por muitos campeonatos organizados de forma progressiva, com dificuldade crescente, dentro das diversas classes por que estão distribuídos os carros. É um sistema muito semelhante ao que vimos anteriormente. O jogador continua a acumular pontos de experiência por completar as provas nos lugares da frente. Agora é possível desligar o tão famoso botão "rewind" que logo é dada uma recompensa adicional em termos percentuais. Na prática, quão mais difícil tornarem a corrida (desligando ajudas) mais chances terão de conquistar pontos. Além disso existe uma compensação de cada vez que atingem objectivos específicos em provas (como derrubar um número máximo de cones na pista Top Gear).

Ao ganhar pontos de experiência o jogador irá subir de nível. Por cada nível que atinja terá acesso a um veículo à escolha. Normalmente é dado um veículo que corresponde à categoria das próximas corridas, pelo que é sempre bom que os carros não fiquem no estaleiro, mas lhes seja dada alguma utilidade. A relação com as marcas é importante pela afinidade. Ao usarem veículos de certa marca desenvolvem uma parceria tendo acesso a redução nos custos de novas peças.

Uma alteração importante neste modo de jogo está na adaptação das corridas ao carro escolhido pelo jogador. Dentro de um campeonato terão entre dez a quinze corridas para fazer. Ao contrario dos jogos anteriores podem mudar de categoria e optar por um carro da classe B em vez da classe A ou C. Se o fizerem de imediato o computador organiza uma prova composta por carros da mesma categoria e afecta a inteligência artificial em função do nosso desempenho. Outro ponto que mostra esta flexibilidade na estrutura dos campeonatos respeita à modificação dos veículos. Se tiverem um carro abaixo de uma pontuação de classe (imaginem que o máximo é 600 e o vosso carro conta com 535), podem pedir ao computador que faça um ajuste automático, seleccionando as peças necessárias, evitando que tenham de ir para uma oficina escolher que parâmetros querem mudar.
'Forza Motorsport 4' Screenshot 8

Drifts continuam como uma imagem de marca da série.

Uma das novidades no capítulo dos modos de jogo é a rivalidade. Trata-se de um modo (rivals) que estreitará ainda mais os laços entre a comunidade, colocando os jogadores em competição permanente. Neste modo poderão escolher um amigo ou alguém de uma lista dos mais rápidos e torná-lo rival. Se vencerem o fantasma desse jogador ganham uma recompensa e enviam para esse utilizador uma mensagem de alerta em como o venceram. É um modo que permite "picar" alguns adversários e amigos, tudo dentro das condições previstas como pista, possibilidade de tunning e carro a usar. Nalgumas provas será permitido mexer nas configurações do carro, mas nem sempre. O modo rivals é composto pelos Periódicos da Comunidade, Rivais do Top Gear, Voltas Rápidas Específicas, Tomada Aberta de Tempo, Dias de Pista, Autocross e Zona de Drift, tudo formas alternativas que garantem alguma diversidade na condução, especialmente nas provas em que é colocado trânsito suplementar e nos é pedido que sejamos mais rápidos do que um adversário ou sejamos capazes de ultrapassar mais de 50 viaturas.

O sistema dos clubes é a outra novidade. Qualquer jogador poderá criar um clube ou enviar convites para que seja aceite num determinado clube onde se encontram os amigos e adeptos do jogo. Trata-se de um pólo agregador de entusiastas que permite levar até todos os desafios de rivais, provas on-line, partilha de fotografias, pinturas e decalques, havendo até um ranking sobre o jogador mais eficaz nessas secções. A partilha dos automóveis é outro ponto de reforço dessa coesão, pelo que podemos escolher algum carro pintado de forma especial nas nossas corridas. A existência de um ranking de clubes estimula ainda mais essa coesão e cooperação entre os participantes, também presente nos leilões e vitrinas, onde poderão exibir as fotografias e outras criações como pinturas especiais. O sentido de comunidade continua a ser uma das mais-valias de Forza M4.

Em termos de competição on-line e para lá das partidas rápidas, terão outras opções à disposição. A Turn 10 dá uma ajuda com a selecção de corridas que vai preparando todos os meses, nomeadamente os eventos de produção em ciclo dos produtores. Receberão sempre alertas com horário para as provas. Do modo Circuito, ao Drift para 16 pilotos distribuídos por várias classes, há ainda opções como o Motrorsports e o Parque de Diversões. Este consiste numa série de mini-jogos como futebol, gato e rato, pega-pega e vírus. Até um máximo de 16 competidores em simultâneo, os carregamentos tendem a ser rápidos e há uma boa estabilidade e fluidez de jogo mesmo quando todas as vagas se encontram ocupadas.
'Forza Motorsport 4' Screenshot 9

Nas corridas multiplayer os confrontos serão mais agressivos. Ninguém quer ficar para o fim.

A conexão com o Kinect há muito que estava prometida para este jogo. É uma via que possibilita uma interacção autónoma e original com o jogo. Há "achievements" exclusivos do Kinect, pelo que para os ferrenhos do "gamerscore" será imprescindível que tenham por perto o acessório. Na prática este sistema permite uma interacção com o jogo de forma bem descontraída, levando a que pessoas que nunca seriam capazes de pegar num comando para manobrar um carro em pista o façam por esta via. No modo Autovista o Kinect permite que o jogador se aproxime do carro e seleccione os pontos que pretende visualizar em pormenor. Mas também permite que os jogadores controlem os veículos utilizando o controlo do movimento através da cabeça para apontar na direcção do "apex" da curva. É um interessante complemento se tiverem o acessório por perto, mas o carisma de Forza M4 está no comando tradicional e no volante pois só dessa forma serão altamente competitivos e conseguirão alcançar todo o prazer proporcionado pelos veículos.

A respeito do volante experimentamos o novo da Microsoft sem fios (que em Portugal pode ser adquirido por €59,99). E embora seja confortável nas mãos, com o tempo a experiência tende a decair. Não existe suporte para descansar as mãos e aumenta o cansaço. Mas em termos de condução é muito fiável e não detectamos lag nos controlos que pudesse interferir na condução. É ergonómico, mas preferêncial para períodos de utilização mais curtos. Numa condução agressiva demos por nós a virar excessivamente o volante e tal aconteceu devido à falta de um suporte físico de apoio.

A história da Turn 10 pode resumir-se a quatro jogos e uma única série. Mas nessa evolução reside uma ambição sem limites por encontrar e levar o mais longe possível a paixão e admiração pelos automóveis. E por cada novo produto a experiência causa impacto nessa sedução pelo mundo automóvel. Sendo uma experiência que pretende congregar e juntar os fãs há também uma garantia de qualidade e o interesse em estabelecer modos de jogo que deixem a comunidade mais activa, em competição entre si. É certo que alguma da estrutura do jogo (em termos de campeonato e pistas) acusa já alguma repetição, pelo que também aqui urge fazer um esforço maior em próximas iniciativas. Forza M4 expande-se na direcção correcta, da projecção dos veículos e do prazer de condução virtual que proporciona, reforçando a componente social e competitiva. E ninguém pode acusar faltar-lhe fluidez. Os 60 fps estão lá como aço, sendo impressionante ver 16 carros disputarem as posições nas mais diferentes pistas sem o mínimo abrandamento. Um selo de qualidade, uma corrida do ano.


3 comentários

comments powered by Disqus
Eurogamer
9/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Anônimo

Reviews da crítica

9 / 10
Eurogamer
©2016 GameVicio