GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Call of Duty: Modern Warfare 2 para PC de Eurogamer

por William TK, fonte Eurogamer, data  editar remover


Vimos em Modern Warfare como a Infinity Ward provou ser capaz de executar planos e tarefas militares dentro dos jogos, num quadro moderno e empurrado pelos pequenos conflitos, localizados especificamente nos pontos do planeta onde subsistem tensões, atrocidades e por vezes uma paz segura apenas por um fio, capaz de rebentar a qualquer altura. Foi uma entrada e mudança de agulha exercida com autoridade, que pôs a concorrência em sentido, em absoluto estado de alerta. Terá sido mais a forma como a Infinity lidou com as expectativas e com as motivações dos jogadores, não as defraudando, que acabou por provocar uma onda de empatia, admiração e proveitosos resultados. O primeiro episódio foi um sucesso descomunal e arrasador em vendas, como se esta definição dos conflitos fosse motivo para uma transmissão Live, pondo os interessados de televisor ligado a meio de uma madrugada para ficarem a par dos últimos desenvolvimentos.

Ao inaugurar uma nova e cabal definição dos conflitos armados à escala global, para os quais os Estados Unidos ainda figuram como poderoso titular e guardião da paz mundial, a Infinity protegeu e preservou de uma forma escrupulosa todo o trabalho de construção da sequela. Os vídeos e imagens chegavam a conta-gotas, as informações escasseavam e desta vez quem ficou à espera de descarregar a beta multijogador pública, bem ficou de mãos a abanar. Para a concorrência, sabendo que este jogo actuaria como um peso pesado, decisões espertas levaram ao adiamento de lançamentos para o primeiro trimestre de 2010, ainda que para esta altura tenham ficado alguns resistentes. Mas isso é uma outra ???guerra??? que não importa escrutinar aqui e agora.
'Modern Warfare 2' Screenshot 1

Descendo a montanha a alta velocidade. Não há fato, nem gravata, nem óculos de sol, nem cabelo penteado.

As coisas ficam mais sérias quando está em causa um jogo de guerra, dos tempos modernos e para as consolas da moderna geração. Espera-se por mais realismo, mais física, mais impacte; no fundo, os jogos desta geração têm vindo a atalhar por esses desejos dos jogadores, alcançando um novo substrato emocional. Se chegam por isso até aqui com a ideia de encontrar uma espécie de gun porn acrescida de uma soberba execução em termos técnicos, vão sentir que o cume da montanha está uns valentes metros acima e nem todos podem sentir-se preparados para deslindar os metros que sobram. A guerra é cruel e más coisas acontecem.

Por isso a Ininifty começou por estabelecer algumas regras prévias quanto à progressão estabelecida para a campanha. Mesmo antes de seguirem em missão para o Afeganistão, o ponto de partida, são advertidos sobre a existência de algumas missões que podem deixar desconcertados e atingidos se tiverem a sensibilidade à flor da pele. Ainda que aceitem percorrer esses segmentos, há uma ulterior fase de admissão. ?? compreensível a opção por um repisar mais cruel da guerra. O 11 de Setembro mudou a escala dos conflitos e o terrorismo (Nova Iorque e Madrid como os casos mais marcantes) passou a ser uma das principais preocupações das potencias mundiais que zelam pela paz.
'Modern Warfare 2' Screenshot 2

O Cristo Redentor deita um olhar à situação. Uma tour de fé?

A forma como conceberam essa motivação vai mais longe, com uma abordagem inesperada mas capaz de operar reviravoltas, ainda que este jogo não deixa de ser sobretudo uma continuação e manutenção do trabalho desenvolvido em Modern Warfare. Mas nem só pela reestruturação e novo posicionamento da campanha individual a Ininity Ward estaria a contribuir de modo suficiente para cumprir o desafio de superação das metas anteriormente estabelecidas. A tentativa para superar o auge do jogo anterior levou os produtores a implementarem novos modos de jogo, mais missões e esse prolongamento começa pelo Spec Ops, um modo que corresponde às expectativas dos jogadores que pretendem coligar esforços para superar missões similares. Seja em partidas on-line a partir de um convite endereçado a um amigo ou por ecrã partilhado, Spec ops abre uma forma distinta de irromper pelos cenários e com outro tipo de estratégia coordenada a gosto. Por seu turno a componente multiplayer mantém-se intacta e plena de modos e adaptações para 16 jogadores o que é sempre colhido com bom grado.

Na prática Modern Warfare 2 resume-se a três blocos de jogo com particulares vocações e atractivos que justificam uma adesão mais célere e imediata. Esse é talvez o maior mérito para esta iteração, expandir os modos de jogo e alargas as opções para os combates. Se o modo campanha pode ser concluído ao fim de pouco mais meia dezena de horas, este é o primeiro naco de jogo a digerir e engolir com ligeireza. Os restantes modos tornam mais prolongada a refeição; spec-ops torna-se num desafio constante até para bater os tempos e a eficácia no debelar dos adversários. Nesta porção de jogo, mais enquadrada como um treino, o grande mérito é sentir que se é premiado pela rapidez e execução do objectivos sob as mais diversas condições ao mesmo tempo que vingam outras soluções de equipamento.

No que tange à experiência individual, a campanha, desde logo se reforça que esta sequência de missões pega no fio condutor do original Modern Warfare, o que por si significa a manutenção de um rasgo e uma toada feroz, sem abrandamentos, numa cadência de momentos intensos e épicos mas também evolui ao ponto de acrescentar novos palcos para o confronto, bem como missões mais diversificadas. O argumento dita que a Rússia é governada por um líder tirano. Afinal, depois de terem derrubado um chefe que parecia ser mau da fita, os americanos acabaram por fazer algo pior que a emenda e têm de suportar as atrocidades geradas e ainda uma invasão. Os eixos do inimigo cruzam os oceanos, desde as favelas no Brasil aos edifícios gastos e esburacados do Afeganistão, abrindo espaço para novas zonas que a Infinity voltou a caracterizar de um modo absolutamente notável.
'Modern Warfare 2' Screenshot 3

?? espera de novas ordens.

O reforço do motor gráfico dá azo a um grau de foto realismo abissal, também com respeito às sombras, luminosidade e clima. Os efeitos e o grau elevado de detalhe nas ruas e nas casas em forma de cascata no Rio de Janeiro, com inimigos em qualquer esquina, telhado ou divisão interior, não deixam ninguém indiferente. As ruas em reboliço, faíscas de tiros, explosões dos automóveis com fogo e faúlhas a atravessar as zonas de vivendas em Washington DC, o denso nevão nas montanhas do Kazaquistsão onde há uma base militar que estremece cada vez que os aviões de combate aterram; isto é só uma pequena amostra dos quadros dinâmicos e absolutamente credíveis que se formam missão após missão. Esse é um dos grandes méritos da campanha, a permanente rotação de cenários. Nunca um confronto obedece aos mesmos trâmites do anterior e isso mantém uma constante indefinição a respeito do que está para vir. Há sempre uma margem para surpreender à grande escala.

A toada cinematográfica no arranque das missões, num ambiente ???havoc??? e frenesim de vozes pelos rádios de comunicação favorece a sensação de imersão e nisso os produtores voltaram a estabelecer novos máximos, com uma atmosfera de bradar aos céus. Há imensos objectos passíveis de interacção e ao nível do primor visual, é decisiva a quantidade de surpresas por área, sempre a proporcionar motivos para causar admiração (é impressionante a fuga da base no Afeganistão, embora seja um momento mais ao jeito de um James Bond do que propriamente algo de cariz militar). Nas favelas, por exemplo, num instante de sossego, até se contemplam as folhas de papel levantadas ao sabor do vento para de seguida um avião militar cruzar o céu em baixa altitude.
'Modern Warfare 2' Screenshot 4

Os escudos protegem durante algum tempo.

Esta formidável densidade de combate é aquilatada pela componente sonora, nos sons fidedignos do armamento, pela impetuosidade dos alertas dos colegas de maior divisa não sendo passível de ocultar a empolgante e brilhante trilha sonora aqui desenvolvida por Hans Zimmer (detentor de notáveis bandas sonoras para o cinema) que inculca no jogador a severidade e o carácter épico do momento e tende a acompanhar os momentos de maior fervor. O trabalho de vozes dos camaradas de combate é de um rigor extremo, com muitas reacções, nem sempre inteiramente percebidas em função do calor da batalha. E ainda se retém o português no Brasil, sendo perceptíveis e bem conseguidos as conversas e tiradas curtas entre os adversários.

Por outro lado a inteligência artificial dos inimigos está melhorada. Os soldados inimigos mudam constantemente de posição, abundam nas dificuldades elevadas, escondem-se, aguardam pelo momento oportuno para disparar e nalguns casos perseguem o jogador, apanhando-o desprevenido e reagindo mesmo quando se encontram severamente atingidos. Com maior calculismo e oportunidade é possível superá-los sem pautar um avanço no mapa. O êxito na conclusão das demandas depende muito da experiência acumulada no género, mas há alturas em que não é difícil ficar preso nalgum checkpoint e consoante a estratégia adoptada para seguir em frente, os inimigos tendem a organizar a defesa de outra forma.

Para facilitar o posicionamento e orientação do jogador, os produtores optaram por colocar uma pequeno ponto orientador no sentido do próximo ???checkpoint???. Podem distanciar-se e palmilhar outras zonas do cenário e até encontrar formas alternativas para chegar ao destino, mas desta forma sempre ficam a saber qual é o atalho mais rápido para seguir em frente. No que respeita ao argumento, ficcional, o jogador terá de assumir inicialmente o destino de quatro dos melhores soldados do exército norte-americano; o sargento Gary Roach Sanderson, Soap MacTavish, Ghost e Joseph Allen. Eles integram a Task Force 141, tendo por primordial objectivo a detenção de Makarov. Mas a forma como é contada a história entre as demandas, podia ter merecido melhor tratamento. Por vezes há alguma perda de pontas, demora algum tempo até perceber o relacionamento entre as personagnes e globalmente optou-se por um estilo de narração em voz off com imagens de satélite sobre as regiões alvo. Depois ainda há as cenas animadas e curtos segmentos durante as missões, pejados de reviravoltas e surpresas.

A quantidade de armamento à disposição foi consideravelmente ampliada. Desde metralhadoras passando pelas rifles, pistolas, espingardas e outras para os snipers, é louvável a quantidade de material bélico reproduzido ao mais pequeno detalhe. Além disso podem ser configuradas e equipadas com lasers dependendo dos soldados que tiverem as armas em mãos.
'Modern Warfare 2' Screenshot 5

Yeah! Rebentem com o Gulag!

Para lá da campanha outros modos reforçam a tendência para o multiplayer e consolidam a dimensão da obra. Assim e como grande novidade a Infinity introduziu um novo modo de jogo; o Specials-Ops. Pequenas missões que podem ser concluídas por objectivos dentro de um tempo limite. Podemos jogar em modo online com um amigo ou local em ecrã dividido ou apenas sós. Existem diversas operações, algumas delas por tempo outras por objectivos. Podemos sempre escolher o nível de dificuldade, sendo que em cada operação recolhemos estrelas consoante o nosso resultado. Ao todo teremos 69 estrelas para ganhar. Sendo que as fases estão divididas, começando em Alfa, Bravo, Charlie, Delta e por fim a última, a Echo. Para podermos chegar aos níveis seguintes teremos que obrigatoriamente ganhar determinadas estrelas. Sem elas, as fases estão bloqueadas. Esta novidade proporciona outra longevidade ao jogo, não fosse o seu modo online já por si inesgotável. Algumas operações primam pela acessibilidade, mas em níveis mais elevados podem esperar nervos à flor da pele e muita frustração. ?? tudo quase em base de tentativa e erro, pois pelo número de vezes que morremos permite perceber o que fazer e que estratégia adoptar.

Mas o supra-sumo está no online a terceira parte integrante do pacote oferecido. Foi a IW capaz de suplantar o feito conseguido com o CoD:Modern Warfare? Em poucas palavras, completamente. O jogo é agora mais dinâmico, mais integrado com a comunidade e o senso de pertencer a uma comunidade esforçada esta sempre presente. Interessante que no menu do online podemos ver em rodapé a performance dos participantes, principalmente os amigos da nossa lista que jogam Modern Warfare 2. Dados de raking, e estado online dos amigos vão passando em rodapé. A destacar a facilidade com que se consegue entrar em qualquer jogo online e a ausência de qualquer lag irritante. Em termos gerais temos o modo online, modo privado, modo ecrã dividido e modo Lan. O maior enfoque foi dado ao modo online claro onde temos uma imensidão de coisas a fazer.
'Modern Warfare 2' Screenshot 6

- três tangos na tua direcção. Foge!

Este modo principal online, da-nos quase um jogo por completo, tais são os objectivos, coisas a desbloquear e progredir em rankings que por si só justifica a compra de MW 2. Temos desde as Challenges onde temos de cumprir diversos objectivos tendo em mãos armas específicas, equipamento e situações, desbloqueando assim cada vez mais desafios. Temos as Accolades, que são prémios de desempenho, que vamos desbloqueando conforme forem cumpridos os objectivos. Para além disso ainda temos os Erks, que vamos adquirindo por subirmos de nível. Podemos usar 3 perks em cada combate, sendo que diferente do anterior MW podemos ainda subir os perks para modo Pro. Estão ao dispor 16 mapas, sendo este um dos melhores packs de um FPS em modo online. Alguns mapas são simplesmente fantásticos, demonstrando a preocupação que a IW dedicou em melhorar a experiência. Também novidade neste modo online é a possibilidade de jogarmos em um modo na terceira pessoa, que estará disponível quando subirmos até ao nível 19. Em termos online, MW 2 parece novamente pronto para conquistar largas horas da vossa vida.

Visualmente arrebatador, MW2 é um jogo de gun porn incessante e excitante nos termos da execução, vingando com determinação no género dos FPS. Não só a Infinity Ward foi capaz de ombrear na comparação com o original como acrescentou um Spec Ops competitivo, aberto ao trabalho de equipa com outro companheiro, ainda que esta partilha de tarefas pudesse ter sido alargada à campanha; outros jogos o fazem. Enquanto experiência multiplayer há material de sobra para pôr a render ao mesmo tempo que se reforçam as habilidades bem ao gosto dos veteranos. ?? material de primeira água que conduz MW2 ao topo. Quanto à campanha, a escassa duração não ofusca, no entanto, os avanços acrescentados em termos de execução e o excelente ritmo. Há muita emoção e adrenalina, ainda que a execução dos conflitos prossiga, por vezes, na forma menos esperada para o que é habitual nestes postos de combate.


Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Eurogamer
10/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de William TK

Reviews da crítica

10 / 10
Eurogamer
5 / 5
Gamerview
9.6 / 10
GameStart
9.5 / 10
GameHall
©2016 GameVicio