GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Prison Break: The Conspiracy para PS3 de Eurogamer

por Giordano Trabach, fonte Eurogamer, data  editar remover


Como produzir um jogo tendo por base a primeira temporada de uma das série mais vistas em todo o mundo nos últimos tempos? Ainda para complicar as coisas, como produzir um jogo onde todos os que seguem a série sabem o desenrolar da história, e mais que isso, já estão em temporadas à frente? Ou ainda pior, onde a primeira temporada é toda ela passada numa prisão, onde a liberdade de movimentos é restrita? Um trabalho complicado, ao qual a Zootfly tentou arriscar a sua sorte.

Falo claro de Prison Break, e para quem ainda não ouviu falar, ou se ainda não viu, aconselho vivamente, pois é, para mim, uma das melhores series dos últimos tempos.

Quando ficámos a saber que haveria um jogo vindo directamente da primeira temporada de Prison Break, pensei de imediato que a equipa de produção teria uma dificuldade enorme de conseguir transpor todo o ambiente da prisão de Fox River para um videojogo. Teriam duas alternativas, ou criavam um jogo tendo por base a recriação para videojogo da temporada, ou criavam uma história paralela (algo mais confortável), que pudesse sustentar todo o ambiente bem como as personagens que nós tão bem conhecemos.

Para além de tudo isso, e perante as dificuldades de produção pela qual a Zootfly passou, é perfeitamente notório que a equipa jogou pelo seguro, não arriscando demasiado no enredo nem na concepção artística, nomeadamente o aparecimento das personagens principais de uma forma constante e mais próxima, dando-nos um jogo sólido na sua base, mas demasiado simples para os padrões actuais.

Tendo assim por base a primeira temporada, em vez de controlarmos uma personagem principal da série, somos o agente da Companhia, Tom Paxton, que iremos entrar na prisão de Fox River disfarçado de prisioneiro, para controlar Michael Scofield e assegurar que Lincoln Burrows seja executado na cadeira eléctrica. No fundo, temos toda a história base, que em pequenos momentos chave iremos ver e passar pelo que foi visto na série. Acrescento, pequenos momentos mesmo.

Prison Break dá-nos assim uma história paralela, onde tentamos apenas cumprir ordens da Companhia. Mas conforme entrámos mais a fundo no enredo, descobrimos que algo mais se passa na prisão de Fox River, e que outros interesses estão por detrás da Companhia. O jogo é na terceira pessoa, tendo uma componente stealth muito forte, não fossemos nós um prisioneiro numa prisão de alta segurança.

A nível de jogabilidade o jogo cumpre, não tem problemas de câmara, o modo de cobertura é em si um sistema já usado em muitos jogos, e que funciona bem no jogo. Paxton pode subir escadas, subir paredes, andar em cima de muros e até andar por canos e esgueirar-se em condutas. Tudo muito simples, não arriscando muito em termos de jogabilidade.

Dando uso aos nossos dotes de agente secreto, o maior problema que teremos de enfrentar, em termos de jogabilidade, é o timming certo para corrermos, subirmos ou efectuarmos alguma operação. Com um pouco de paciência, conseguiremos passar por todas as missões de uma forma rápida. Também estão presentes os famosos QTE, mas aqui são por vezes irritantes. Um exemplo é quando temos que martelar num botão e logo de seguida termos que apenas carregar noutro. O problema é que o tempo de resposta é tão curto que faz com que percamos e sejamos remetidos para o início da sequência. Que saudades de Heavy Rain.

Em Prison Break: The Conspiracy não existe nenhuma liberdade de escolha de caminhos ou formas de abordar cada missão. A nossa busca por informações, ou que a nossa missão seja bem sucedida, obrigará a que façamos boas amizades dentro da prisão e que no fundo também façamos certos favores. Na prisão tudo se compra e troca, basta apenas saber o que dar como moeda de troca. Embora seja um jogo onde teremos que pesquisar, e ir em busca de informações, nunca esse trabalho é algo de complicado, pois é em si um jogo muito em linha recta, tendo sempre as indicações no ecrã que nos explicam como fazer, por onde ir e com quem falar. Não existe muito por onde fugir, mesmo que queiramos tentar outras formas. Demasiado simples para os padrões actuais.

Para além da demasiada simplicidade, o jogo desaponta pela ligação com as personagens principais. Ok, sabemos que a Zootfly tentou dar-nos uma história paralela, um olhar diferente ao jogo, mas num jogo de Prison Break, não seria natural querermos interagir com as personagens conhecidas? Tudo se resume a pequenos vislumbres e encontros com as personagens. A personagem com quem mais tempo falamos ou interagimos é com John Abruzzi, devido ao seu poder dentro da prisão. De realçar que todas as personagens têm as vozes originais.

Durante as missões iremos ter a oportunidade de lutar, e quando isso acontece o jogo passa automaticamente para um modo de combate. Novamente o sistema resume-se em apenas usarmos dois botões e o R1 para nos protegermos. Um dos botões é soco rápido o outro soco lento e mais potente. Podemos entrar em lutas programadas entre os reclusos bem como polícias. Para aumentar o nosso estilo badass, podemos ainda tatuar o nosso corpo. Existe também um modo versus, usando o mesmo sistema de luta. A simplicidade do sistema faz com que os combates sejam monótonos e demasiado fáceis de ganhar.

A série Prison Break tem uma carga de emoção, de suspense e de acção enorme. O enredo é fantástico e consegue-nos agarrar a ele sempre querendo saber mais. Já o jogo é demasiado simples na sua concepção, e como já referi, peca pela falta de ambição e por trazer algo extremamente básico. Os fãs da série poderão tirar um maior proveito do jogo, pois coloca-nos dentro da prisão de Fox River e em certas alturas, muito poucas, consegue transmitir o espírito da série. Em tudo aquilo que faz, faz bem, mas é muito pouco para os padrões actuais.


Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Eurogamer
4/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

©2016 GameVicio