GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Dragon Age: Origins: Awakening para PC de E-Zine/MyGames

por Giordano Trabach, fonte E-Zine/MyGames, data  editar remover


Desde a sua criação, a BioWare tem vindo a tornar-se um nome sonante na indústria dos videojogos. Se nem todos a conheciam na altura em que criou Baldur's Gate, a companhia já não passa despercebida tão facilmente hoje, depois de obras como Dragon Age: Origins ou Mass Effect 2. Agora, depois de cinco meses no mercado, eis que este primeiro jogo recebe a sua primeira expansão, intitulada Dragon Age: Origins ??? Awakening.

Awakening mete-nos de novo no papel principal da história, desta vez seis meses depois dos acontecimentos do primeiro jogo. Morto o Archdemon, recai sobre nós a obrigação de reestruturar da ordem dos Grey Wardens, e é precisamente com esse objectivo que partimos para o nosso novo destino: Vigil's Keep, uma fortaleza situada em Amaranthine.

O problema é que a dita fortaleza está feita num caos: Grey Wardens há-os em pouca quantidade, a situação financeira já teve melhores dias e, como se não bastasse, os Darkspawn agora falam e estão mais inteligentes. Uma prova viva disso é o The Withered (apelidado também como "a darkspawn who talks"), que conhecemos logo no início de Awakening.

Dragon Age: Origins ??? Awakening é uma expansão e, como tal, pressupõe-se que continue a história original; na verdade, é-nos apresentada como uma campanha diferente, a qual não contará com os party members do jogo em si (à excepção de Oghren, o anão atiradiço já nosso conhecido).

Embora possa ser um ponto negativo para muitos jogadores, não assustem todos aqueles que estão interessados em comprar Awakening, pois a BioWare compensou noutros aspectos. Assim que iniciamos a história, é-nos perguntado se queremos importar a nossa personagem inicial ou se gostaríamos de criar uma nova. Se importarem a vossa antiga character, tenham em atenção que esta não irá levar consigo a maior parte dos items que já possuía.

Aliás, isso levou a uma situação bastante engraçada na cut-scene inicial da expansão, onde o meu recentemente proclamado Warden-Commander apareceu, debaixo de chuva intensa, tal como veio ao mundo, e isto porque estava equipado com a Blood Dragon Armor (o equipamento disponibilizado por download, através de código).

As decisões que tomaram durante a campanha de Dragon Age: Origins irão ter implicações nos primeiros momentos de Awakening. No meu caso, o nosso velho amigo Alistair, agora rei, fez questão de me visitar e de oferecer o seu apoio em batalhas futuras. Se este não for a vossa escolha para liderar o povo de Ferelden, no final da história principal, será a outra personagem (não especificada propositadamente) a fazer-vos uma visita. Para além desses, também Wynne voltará a marcar presença, ainda que com menos intensidade.

?? certo que não teremos acesso aos nossos antigos companheiros, mas a BioWare não nos deixou totalmente descalços, ao introduzir novos party members quase com a mesma classe dos anteriores; para além de Oghren, que já conhecíamos, vamos poder criar grupos com Anders (Mage), Velanna (Mage), Nathaniel (Rogue), Sigrun (Rogue) e Justice (Warrior).

Ainda no campo das personagens, há que fazer uma menção especial para o nosso novo arqui-inimigo, The Architect, que está muito bem conseguido, quer em termos de design quer em termos de personalidade.

Outra novidade, em Awakening, é o aumento do nível máximo permitido e a introdução de novos skills, specializations, spells e talents, assim como novos inimigos, localizações e, claro, quests... montes delas, sejam primárias ou secundárias.

Se quiserem saber cada uma destas novidades em detalhe, aconselho-vos a visitar o Dragon Age Wiki, um site inteiramente dedicado ao jogo com toda a informação que possam querer saber e mais alguma. Neste caso, visitem a página de Dragon Age: Origins ??? Awakening, aqui.

Mesmo com a existência do site, há a destacar um novo skill chamado Runecrafting, que nos deixa melhorar as nossas armas e armaduras com Weapon Runes e Armor Runes, respectivamente, e o qual irá produzir runes cada vez melhores à medida que vamos aumentando de tier, isto é, no nível do skill.

Tudo o resto está bem conseguido. Os aspectos técnicos estão, como seria de esperar, iguais aos do jogo original, por isso não deverão encontrar problemas nesse campo. Há já vários bugs e glitches confirmados nesta expansão (poderão vê-los no mesmo site acima mencionado), embora deva admitir que não me deparei com nenhum que fosse impeditivo ao progresso do jogo.

Como em Dragon Age: Origins, é vivamente aconselhado criar uma party equilibrada e eficiente, dependendo dos gostos de cada um. Pessoalmente, gosto sempre de ter um healer, um tank, um spellcaster ofensivo e um physical damage dealer, mas poderão facilmente estabelecer a vossa própria party.

Este é um dos pontos bastante positivos do jogo e que volta em grande, visto que poderemos fazer respec às nossas personagens através da simples compra de um livro chamado Manual of Focus. Isto permite-nos corrigir alguma decisão menos boa que tenhamos tomado enquanto distribuíamos os pontos, ou mudar radicalmente a função da personagem.

Os diálogos continuam brilhantes, assim como o humor característico da saga, e a aventura estende-se durante umas boas 20 horas, o que é bastante agradável. No entanto, depois de algumas leituras, descobri que muito do conteúdo desta expansão é melhor compreendido depois de ler Dragon Age: The Calling, um livro sobre o universo do jogo lançado em Outubro de 2009, que aborda, precisamente, a inimigo principal.

Isto pode revelar-se como um ponto negativo para muitos fãs, ou bastante positivo para todos os lore geeks que acompanharam todos os pedacinhos de história. Não tenho grandes queixas a este respeito, mas é verdade que se pode apresentar-se como uma falha para muitos amantes do jogo.

Em suma, Dragon Age: Origins ??? Awakening é uma boa expansão; nunca se assemelhará ao título original, mas isso é algo que é sempre bastante difícil para um jogo com o da BioWare. Ainda assim, serve o seu propósito com distinção, que é, no fundo, reenviar-nos para o universo de Dragon Age: Origins enquanto esperamos por Dragon Age 2 ou por outra eventual expansão. Se gostaram do melhor RPG de 2009, Awakening vai relembrar-vos por quê.

Prós:
  1. Forte inimigo principal;
  2. Boas novas personagens;
  3. Regressar a Dragon Age: Origins;
  4. Novos talentos, habilidades e feitiços;
  5. Fácil capacidade de 'respec' das personagens.


Contras:
  1. Alguns bugs que ainda estão por corrigir;
  2. Desaparecimento de muitas das personagens antigas;
  3. História melhor compreendida depois da leitura do livro.



Nenhum comentário

comments powered by Disqus
E-Zine/MyGames
87/ 100
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

8 / 10
Eurogamer
©2016 GameVicio