GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Napoleon: Total War para PC de E-Zine/MyGames

por Giordano Trabach, fonte E-Zine/MyGames, data  editar remover


No ano 2000, a Creative Assembly lançava Shogun: Total War, um título de estratégia passado no Japão feudal. O jogo não foi nenhum best-seller internacional, mas conseguiu gerar interesse suficiente para que se fizesse um segundo título. Em 2002, a companhia trazia-nos, assim, Medieval: Total War. Se Shogun não tinha conseguido vincar muito bem o nome da companhia no mundo dos videojogos, Medieval foi definitivamente o tour de force dos estúdios.

Desde então, a série nunca mais parou; Rome (2004), Medieval II (2006) e Empire (2009) foram lançados com uma boa aceitação por parte da crítica generalizada, sempre com a marca de qualidade 'Total War' à frente do nome.

Agora, em 2010, surge Napoleon: Total War, um jogo que, como seria de adivinhar, se centra nas invasões napoleónicas. Há que parabenizar a série Total War por sempre ter tentado retratar os acontecimentos históricos em que incide, com o maior rigor possível. Uma questão interessante, mas que terá de ficar para outra altura, é até que ponto as formas de entretenimento actuais não farão um melhor trabalho do que um professor, quando se trata de incutir noções de história nos jovens. Afinal, todos aqueles que jogaram Rome se deverão lembrar da conhecida formação de tartaruga das legiões romanas e da sua razão, da mesma forma que todos aqueles que viram The Last Samurai se lembram do código de honra dos famosos guerreiros do Japão antigo.

Napoleon: Total War vai pelo mesmo caminho. A diferença, agora, é que o jogo acompanha a ascensão e a queda de uma personagem bem mais próxima de nós. O pano de fundo não podia ser melhor: início do século XIX, infantaria e cavalaria, mosquetes e baionetas, canhões, cidades para conquistar e um homem com uma sede de poder maior do que a própria nação que serviu.

O jogo conta com três campanhas originais (quatro, se contarmos com a adolescência de Napoleão, que aparece sob a forma de tutorial): a de Itália, a do Médio Oriente e a de França. Para além destas, existe ainda a Coalition's Grand Campaign, que segue os acontecimentos históricos do outro lado da barricada, ou seja, dos inimigos de Napoleão, de onde se destaca a Inglaterra.

Napoleon: Total War utiliza o mesmo sistema dos seus antecessores, isto é, mistura estratégia em tempo real e gestão de recursos, gestão essa que é feita numa espécie de mapa-mundo da zona da campanha respectiva. Começando pelas batalhas em si, há que dizer que estas continuam majestosas, ainda que possam ser um bocado difíceis para todos aqueles que se iniciem na série Total War.

Aqui, há que levar em conta as condições do terreno e dos soldados, e saber movimentar as tropas. Este desafio é especialmente notório quando as batalhas envolvem canhões e outra artilharia pesada, visto que estes são capazes de acertar nas nossas fileiras de soldados com uma precisão relativamente grande. Claro que se tivermos as nossas tropas estacionadas no cimo de um monte, vai ser difícil fazer com que as salvas de artilharia faça grandes estragos.

Continua a ser possível vencer um inimigo que esteja em maioria numérica, mas isso requer alguma perícia e um bom controlo do general. ?? que, nos jogos Total War, os soldados não são heróis e não lutam, regra geral, até à aniquilação total do pelotão; as tropas têm uma moral e um nível de cansaço, o que pode influenciar a decisão de desertar, ou não, os seus irmãos de armas. Napoleon: Total War não é diferente.

As batalhas podem ter, ou não, tempo, consoante das nossas preferências, e podem realizar-se em campo aberto (se entrarmos em combate enquanto deambulamos pelo mapa) ou em cidades, as quais poderemos tentar conquistar ou defender.

Se tudo isto já é indicador de um título mais maduro, a parte da gestão do jogo ainda eleva mais essa noção. ?? preciso saber ganhar e gastar os recursos, tomar as decisões políticas acertadas, cuidar das tropas, acalmar as multidões das nossas cidades, chantagear os nossos inimigos e influenciar os nossos aliados, controlar rotas marítimas, entre tantas e tantas outras pequenas situações que merecem a nossa atenção.

Isto revela-se como uma das dificuldades do jogo, pois estas decisões interligam-se, muitas vezes. O jogador terá de perceber se lhe compensa mais criar um determinado conjunto de unidades para o seu exército, ou, pelo contrário, gastar o dinheiro a melhorar um edifício. Isto tudo não levantaria problemas se não fosse o factor tempo que nos é imposto nas campanhas. Tendo em conta que o jogo tenta ser fiel às conquistas de Napoleão, as campanhas vão ter um número limite de turnos, de forma a acompanhar as datas reais. Há que dizer que cada turno, aqui, corresponde a duas semanas, o que difere dos habituais turnos de seis meses de jogos anteriores.

Isto pode revelar-se um bocado frustrante para todos aqueles que gostam de construir tudo no início e avançar em massa no fim, mas se conseguirem entrar no espírito da coisa, o jogo pode tornar-se bastante aliciante.

No que toca ao aspecto gráfico, notam-se várias melhorias em Napoleon: Total War. Os campos de batalha e as animações foram mais trabalhados, o que se nota no fumo que fica no ar após uma salva dos mosquetes ou pela atenção a pequenos detalhes nos uniformes dos regimentos. Algo que também merece destaque é a heterogeneidade dos modelos dos soldados; a Creative Assembly já tinha anunciado que iria construir várias versões das unidades, de forma a não se repetirem, e há que admitir que isto traz um toque de classe ao jogo.

O campo sonoro não é dos melhores que se tem ouvido ultimamente, mas está razoavelmente bom. O destaque vai, claramente, para os sons das armas e dos canhões, e a banda sonora, embora não seja épica, consegue envolver-nos na época e no ambiente do jogo.

Outro grande trunfo de Napoleon: Total War são as batalhas marítimas. ?? altamente viciante ser o comandante de uma frota de guerra, especialmente quando temos acesso a navios de grande porte equipados com duas dezenas de canhões a bombordo e mais uma mão cheia deles a estibordo. Senti-me, quase, no Master & Commander, e é bastante gratificante ver os mastros e as velas das embarcações inimigas serem devastadas pelas nossas munições, o que lhes impossibilita a movimentação. Assim que isto acontece, é ver-nos a adoptar a técnica GTA e a abordar o barco alheio. "Ao ataque meus piratas, quem tem boca pica pernas."

Outro dos pontos que poderá aliciar alguns jogadores é capacidade de jogar a campanha em multiplayer. Embora tenhamos testado pouco na redacção, esta possibilidade vem tornar tudo mais interessante, admitindo que temos um bocado de paciência. ?? preciso ter em consideração que estamos a jogar contra outra pessoa, o que faz com que, geralmente, cada turno demore mais tempo. Um dos pontos negativos, durante as batalhas multiplayer, é que a sessão acaba se uma das duas partes sair do jogo. ?? verdade que a vertente multiplayer não me alicia muito neste tipo de jogos, mas também é verdade que há gostos para tudo.

Napoleon: Total War é uma boa adição à série e irá, com certeza, agradar aos fãs. Rome: Total War cativou-me mais, principalmente pelo sistema de cerco às cidades e pela forma de combate das legiões romanas, mas é um facto que a Creative Assembly está novamente de parabéns por este título. ?? um jogo desafiante e que consegue manter os níveis de qualidade da série, embora haja quem considere que deveria ter saído em forma de expansão. Isso ficará à opinião de cada um; de qualquer das maneiras, é um jogo recomendado para todos os fãs de estratégia à séria.

Prós:
  1. Atenção aos detalhes;
  2. Regresso das batalhas marítimas;
  3. Vertente estratégica continua brilhante;
  4. Excelente época histórica para um jogo Total War.


Contras:
  1. Um jogo relativamente difícil;
  2. Limite de turnos nas campanhas;
  3. Vertente para múltiplos jogadores podia ser melhor;



Nenhum comentário

comments powered by Disqus
E-Zine/MyGames
84/ 100
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

8 / 10
Eurogamer
©2016 GameVicio