GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Superstars V8 Racing para X360 de Eurogamer

por Giordano Trabach, fonte Eurogamer, data  editar remover


Por esta altura é capaz de andar no velho baú das vossas memórias a série Screamer desenvolvida pela italiana Milestone, sensivelmente em meados da década de noventa e que deixou resultados bem positivos. Nos tempos mais recentes, porém, a principal atenção verte sobre as duas rodas das categorias Moto GP e das Superbikes (SBK), pelo que é com bastante curiosidade que destapamos, por fim, a manta de Superstars V8 Racing, o jogo de carros de turismo de licença italiana que pega destaque a partir da engenharia V8 escondida debaixo do capôt.

E precisamente a partir dessa engenharia pode-se dizer que, sem grande bródio, a Milestone encontrou um argumento deveras plausível, convincente, bem paradigmático das competições de turismo e mesmo que V8 Racing ofereça muito pouco para creditar a história dos jogos dedicados aos automóveis como conhecemos, o compromisso mínimo para o fiel amante das corridas dos jogos está assegurado. E por dosear bem a força das corridas imediatas e acessíveis, a partir das quais qualquer um pode começar a ganhar, oferece por alternativa um desafio permanente quando se quer olhar de frente e por isso estão lá os parâmetros à espera de afinação, tudo explicado em textos mínimos mas bastante claros, que em pouco tempo servem de guia para afinar o carro de modo a tirar mais uns segundos ao crono, baixando a volta rápida para tempos competitivos.

Sem propaganda a Milestone foi directa às corridas, mesmo para um campeonato que não é de visibilidade mundial. Todavia o essencial e corpo das corridas do italiano Superstars segue bem representado, com pistas, nomes de pilotos, fotografias e vídeos da prova, automóveis e patrocinadores como manda a lei. Com as marcas de automóveis, porém, nem tudo está oficial. Os conhecidos Mercedes C-63 AMG, Chevrolet Lumina, Chrysler e Caddilac apresentam outra inscrição embora a grelha e a silhueta dos veículos não disfarcem as evidências.

Percorrer as opções de jogo faz-se com ligeireza e grande facilidade (os loadings são muito curtos), tendo sempre por fundo a imagem do carro seleccionado na boxe que nos pertence e que vai ficando mais completa em termos de objectos (monitores, computadores, fotografias, tapete para carro) depois de se acumularem êxitos sucessivos. Da vertente para jogador individual até às opção para vários jogadores em rede as opções ganham profundidade no fim de semana desportivo e campeonato. Com a habitual opção das corridas rápidas e treinos para conhecer uma pista (das dez presentes) o melhor é escolher um fim de semana desportivo e arrancar para um campeonato, o périplo que se faz ao longo de sete pistas com sede em Itália, rumando ainda a Valência, Portimão e Kyalami (África do Sul) num travo internacional.

As diferentes condições meteorológicas condicionam o andamento bem como a afinação geral do veículo. Neste caso os jogadores mais hardcore vão sentir-se particularmente interessados em mexer nos diversos sectores de afinação do carro para o ter a gosto durante a prova. Duas sessões de treinos, com meia hora para cada (é possível subtrair porções de tempo para aligeirar a sessão) antecedem a sessão de qualificação que ditará a ordenação da grelha para a corrida. Esta representa o ponto alto do fim de semana, podendo ser escolhido um número variável de voltas. Na verdade este esquema e formato acaba por ser bastante compensador. Quer nos treinos, quer na qualificação, os outros concorrentes partilham da pista para a sua volta rápida, pelo que há aqui toda uma envolvência e representação das provas bastante fiel.

Mas boa parte do mérito de V8 Racing está na possibilidade de modelar a experiência a gosto. Activem as ajudas, afastem o desgaste dos pneus e terão algo mais arcade. Cortem nas assistências, escolham uma caixa manual, pneus degradáveis, com uma dificuldade a tocar o hard e legend e terão de extrair as qualidades de piloto que vos são inatas para ultrapassar os adversários cimeiros e ganhar provas. Basta lembrar que uma má qualificação, que vos pode atirar para o último lugar, é suficiente para ficarem condenados à competição no fundo do pelotão. Nas dificuldades elevadas o ritmo dos adversários é muito alto, a inteligência artificial desempenha um bom papel e abre espaço para aqueles momentos em que os carros seguem durante largas curvas com pouco espaço entre si, sempre no fio da navalha.

?? a partir desta gestão mais ???hardcore??? da afinação do veículo e dinâmica em pista que V8 Racing se mostra entusiasmante e muito competente. Fica mais perceptível a física e enquanto o indicador dos dados vitais do automóvel mostra que a temperatura dos pneus não chegou ao vermelho podem continuar a ???esmagar??? o acelerador nas rectas (é tão impressionante a larga recta da meta de Portimão, antecedida pela parabólica feita quase a fundo assim como o pós arranque de Vallelunga, no máximo) e concentrar esforço para travar tarde e segurar o bólide nas curvas rápidas, engrenando mudanças curtas para as lentas, sempre num exercício de trajectórias como pedem os jogos que simulam mais aproximadamente as provas.

Claro que parte deste sucesso na condução mais explosiva, mas também perigosa, nunca seria possível sem a extrema qualidade da animação. Não há mínima nota de abrandamento. A estabilidade é perfeita, mesmo quando se parte no fim da grelha e circulam à frente dezoito lobos. A sensação de velocidade no guarda-lamas, acima do capôt ou atrás é das mais impressionantes e entusiasmantes. Com o silvo causado pelo disparo do turbo e ruído dos gritantes V8, acima dos 200 km/h o ritmo é colossal. As grandes reduções e curvas médias a segunda e terceira velocidades no red line fazem-se com grande grip (desde que tenham o carro afinado para segurar melhor), sempre a malhar. ?? impossível não tirar dali uns golpes de emoção, tal a rapidez e ruídos emanados.

Em termos de andamento na pista, vertiginoso e entusiasmante, adaptado às exigências de cada um, V8 Racing consegue impressionar e cotar-se como uma das melhores opções do género, mas a seu tempo ficam visíveis as limitações. ?? patente que para garantir uma grande qualidade na animação, numa impressionante frame-rate, se sacrificou a estrutura adjacente à pista, menos detalhada, com escassos pontos de referência. A utilização abundante de escuros e sombras, para lá de um tom sépia nalguns momentos limitaram na cor e noutros efeitos. Os próprios veículos estão modelados sem grande atenção a detalhes, principalmente quando comparados com os mesmos com os de Forza 3, Need For Speed Shift ou Gran Turismo 5 Prologue. Além disso, foram incluídos danos, mas os embates mesmo a grande velocidade não deformam o carro na proporção do choque.

Por outro lado e excluindo as opções para alguns mini-eventos organizados a partir das licenças de Superstars V8 (recriam alguns momentos das épocas passadas como estabelecer uma volta rápida, fazer uma recuperação assombrosa, ultrapassar determinado adversário), as opções de jogo para lá do fim de semana desportivo e respectivo campeonato deixam muito a desejar. Até ao nível das corridas para vários jogadores on-line são parcas as opções.

Não sobram dúvidas. Superstars V8 Racing não é o jogo que vai mudar o registo do desporto automóvel virtual e acrescentar uma nova trajectória neste género que procura, em tentativas ainda em programação, reformular ideias e atingir novos conceitos. Pese embora as limitações em termos de conteúdo, a verdade é que a Milestone concentrou os esforços em proporcionar um contacto especial e único com o campeonato de turismos italiano e nesse enfoque, do ponto de vista do ataque ao asfalto e da competição obtiveram um resultado bastante competitivo e encorajador para futuras iniciativas.


Nenhum comentário

||
Eurogamer
7/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach
©2016 GameVicio