GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de The GodFather 2 para PC de Gamerview

por Giordano Trabach, fonte Gamerview, data  editar remover



Quando O Poderoso Chefão virou jogo, em 2006, ninguém sabia o que esperar. Francis Ford Copolla, o diretor da trilogia, nem queria saber da adaptação (ele odeia videogames). Mas deu tudo certo e o game saiu com qualidade, reproduzindo fielmente o estilo do filme. Levou anos para ficar pronto, contou com a voz dos atores originais (até a de Marlon Brando) e, quando saiu, agradou aos fãs e aqueles que desejavam encarnar um capanga nos videogames. Três anos se passaram e a Electronic Arts entrega o segundo game, seguindo agora os acontecimentos da Parte II do filme. E mais uma vez, o jogo faz jus ao nome.

A história começa em 1958, em Havana (Cuba), com um encontro de gângsteres em plena Revolução Cubana. O encontro acaba no assassinato de Aldo Trapani - o Don de sua família - deixando todo o seu legado desprotegido. Vale lembrar que Trapani é o protagonista com quem você joga no primeiro game. Após sua morte, Dominic (você) assume a responsabilidade de restabelecer a ordem e liderar sua própria família para substituir o falecido Don. A trama entre os games é bem amarrada, mesmo com um protagonista fictício. No início, você define o perfil do protagonista num editor semelhante ao primeiro game. Cabelo, sobrancelha, tipo de calça, barba, porte físico??? Tem opção para todos os gostos.

Seu objetivo principal é restabelecer a organização em Nova Iorque e expandir para Miami. Diferente do primeiro game, para ter sucesso nas missões você precisa contratar gângsteres para formar família e grupo. E é aí que entra a grande novidade desta seqüência. Há especialistas pra tudo: Arsonist (incendiário), Safecracker (arromba cofres), Demolition (explode tudo), Medic (pra te salvar nas horas de aperto), Engineer (corta comunicação, abre passagens) e Bruiser (brutamontes). ???Família??? é a rede de comparsas que trabalham pra você, enquanto ???grupo??? nada mais é que você e mais três especialistas, controlados pela inteligência artificial. Conforme o game progride, novos especialistas dão as caras para você contratá-los.

O jogo oferece um sistema de upgrades pra você e os integrantes da família, ao custo de muitos dólares. Se você gosta de um determinado soldado (nome dado a um membro iniciante), você pode não só fazer todos os upgrades dele como promovê-lo a Capo ou Underboss (sub-chefe). Esta opção abre vagas para recrutar novos soldados. Há também um esquema de licenças de armas permitidas por personagem, que é ampliável no modo online. As opções são tantas que é impossível negar a estratégia que o jogo oferece. Até porque não basta sair atirando e matando todo mundo. Tem que dominar cada ponto com cuidado, usando os especialistas certos, intimidando e extorquindo donos, pagando seguranças para cuidar do local na sua ausência. Eliminar integrantes de uma família até sua completa extinção também fazem parte de suas missões. E conforme for completando as missões, você libera coletes à prova de balas, carros blindados, munição incendiária e outros bônus indispensáveis.

O interessante aqui é que, para dominar cada ponto, há uma determinada condição a ser seguida. Alguns donos cedem na base do medo, sob a ameaça de ser jogado do topo de um prédio, por exemplo. Outros só entendem o recado na base da agressão ou intimidação. Neste sentido, o jogo é igualzinho ao primeiro game, com adição de novas possibilidades e interações. Se você passar do ponto e matar o dono, mesmo que por acidente, o estabelecimento fica temporariamente fora de funcionamento, lhe obrigando a fazer outras missões para retornar mais tarde. Isso acontece com freqüência, acredite. ??s vezes você aperta o pescoço de um indivíduo só para deixá-lo sem ar e??? creck, quebra o pescoço dele, soltando um ingênuo ???ops???.

A grana apertou? Basta conversar com algumas pessoas com indicações de favores. O que não falta é gente precisando resolver seus problemas pessoais, que variam desde matar o namorado traidor a socar um indivíduo quase até a morte para que ele pague suas dívidas. Isso gera recompensas em grana e também em troca de favores, o que ajuda muito principalmente quando você já dominou boa parte da cidade. Chega uma hora que seus rivais atacam sem parar os estabelecimentos dominados por você. Então é sempre bom ter soluções nas mangas para não ter que ir você mesmo até o local e despachar os adversários. Ah, e não se esqueça: policiais corruptos também dão conta do recado.

Como de costume nos games de hoje, O Poderoso Chefão II também oferece liberdade para fazer o que quiser. Porém essa liberdade foi perfeitamente adaptada para os objetivos do game, limitando algumas coisas aqui, permitindo outras ali. Dá pra roubar carros, atropelar pessoas, explodir coisas e tudo mais. Mas o jogo jamais perde o foco para o formato ???sandbox???, como acontece em GTA IV, por exemplo. Agora graficamente falando, é um jogo simples. Poderia até ser melhor, mas não posso negar que o visual funciona bem no jogo, com a presença de ótimos efeitos (explosões, em especial) e loadings quase ausentes. As cutscenes de diálogos e história ocorrem em tempo real, sem perder o ritmo. Junta isso com a trilha sonora muito bem retratada, de época, e temos um excelente game.

O modo multiplayer talvez seja minha única reclamação, pois não há um grande apelo. Ok, você pode montar um time, ganhar upgrades para seus personagens, liberar armas e tal. Mas isso não me empolgou. Testamos a versão de PC e encontramos poucos jogadores online, a maioria gringo. Talvez nos consoles a coisa seja diferente. Os modos são: Team Deathmatch (TDE), Demolition Assault (DMA), FireStarter (FST) e Safecracker (SCR). Em TDE, é time azul contra vermelho. No modo DMA, você manda os especialistas explodirem três objetos em território inimigo. Em FST, os incendiários botam fogo em tanques de gasolina, propano e barris para acumular multiplicadores de pontos. E no SCR, o objetivo é arrombar cofres e manter a posição contra ataque inimigo. Sempre há um cofre no meio do mapa, o mais difícil de todos, e o que dá mais grana.

O Poderoso Chefão II consegue superar o primeiro game aprimorando a jogabilidade, adicionando os especialistas e uma nova estratégia às missões. ?? um game bem mais completo e complexo, com uma variedade absurda de opções. Possui alguns bugs, muita repetição de diálogos, ausência de texturas, Inteligência Artificial com falhas, mas nada que ofusque a diversão. Sendo fã ou não, não deixe de conferir este game, capiche?

Prós:
  1. Boa jogabilidade
  2. A introdução dos especialistas
  3. Game com a cara do filme
  4. Missões bem variadas


Contras:
  1. Gráficos poderiam ser melhores
  2. Inteligência Artificial com falhas
  3. Frases de referência ao filme usadas de forma indevida, fora do contexto
  4. Multiplayer pouco atraente



Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Gamerview
4/ 5
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

3 / 5
Uol Jogos
5.9 / 10
Top Games
©2016 GameVicio