GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Pool of Radiance: Ruins of Myth Drannor para PC de Outer Space

por Giordano Trabach, fonte Outer Space, data  editar remover


Pool of Radiance: As Ruinas de Myth Drannor é mais um desses RPGs derivados do jogo de livro. Seu grande diferencial está no fato de ser o primeiro a adaptar a terceira edição do sistema Dungeons & Dragons para um jogo de computador.

Quem acompanha os RPGs para PC deve saber que, neste nicho, o estúdio Black Isle já oferece opções para cada perfil de jogador, aquele que gosta mais da parte de batalha tem Icewind Dale, o que quer algo mais denso e complexo tem Planescape Torment e para todos os gostos, a obra-prima Baldur& 39;s Gate. Fica então a dúvida: o que este Pool of Radiance pode oferecer diante de uma concorrência tão competente?

Enredo e personagens


Infelizmente, na atual conjuntura, não há nada em Pool of Radiance que permita recomenda-lo para quem não é absolutamente fanático pelo tema. ?? um jogo cru, sua produção atende às necessidades básicas, falha em vários aspectos, e não tem grande atenção aos detalhes.

O enredo, por exemplo, existe, mas é discreto, uma mera desculpa para inserir o jogador nas batalhas, que são 90% do jogo. Os acontecimentos dão prosseguimento à seqüência de histórias de Pool of Radiance, Curse of the Azure Bonds, Secret of the Silver Blades e Pools of Darkness. Desde a última aventura, a cidade de New Phlan estava mais pacífica e quieta do que nunca. Porém, uma nova Pool of Radiance (de onde saem criaturas malígnas), localizada perto da cidade, fora reativada, espalhando o mal e a destruição. Para conter esta ameaça, o velho mago Elminster convocou uma legião de guerreiros poderosos, e os enviou para Myth Drannor juntamente com os poderosos Gauntlets of Moander, únicos capazes de destruir o demônio que despertou esta nova Pool of Radiance. Algum tempo após sua equipe ter partido, através de um portal, Elminster percebe que eles não estavam reportando suas atividades como combinado. Neste ponto você entra na história, como um convocado para descobrir o que está acontecendo. Assim que chega ao macabro mundo de Myth Drannor, você encontra rapidamente a equipe... morta. Daqui em diante, sua missão é desvendar corajosamente o mundo de Myth Drannor para descobrir a causa mortis dos aventureiros e acabar com toda forma de força maligna que ali estiver.

Então você forma um time de quatro notáveis que irão para a aventura em Myth Drannor. Sabe-se lá por que, a escolha dos personagens omite algumas classes, como a dos gnomos. Há também limitações como a escolha do sexo para algumas classes, a impossibilidade de jogar o dado para distribuir as habilidades do personagem ou definir especialidades. Baldur& 39;s Gate oferece quase tudo isso desde sua primeira edição, anos atrás, então pra que o limite num jogo tão novo?

A batalha sem fim


A parte jogável de Pool of Radiance tem seus momentos, mas no geral é pouco atraente, principalmente quando se torna inevitável compara-la com a concorrência. Como foi dito, o foco aqui está na rotina de caminhar, encontrar monstros, lutar e dormir pra curar. Este ciclo consumirá uma centena de horas. Como os outros jogos do gênero, Pool of Radiance é longo.

Algumas batalhas poderão durar dezenas de minutos, e isso não se deve somente à sua complexidade, mas simplesmente à falta de ritmo e uma interface um tanto desengonçada. Você move os personagens da forma esperada, clicando sobre o ponto de destino, podendo mover as peças individualmente ou todo o grupo. O caminhar é lento, mas não chega a irritar. Os monstros por sua vez aproximam como lesmas. Quando há o contato, inicia-se a batalha, em turnos.

O sistema de batalha de Pool of Radiance é até interessante, mas mais uma vez somos forçados a fazer uma comparação com o de Baldur& 39;s Gate e Icewind Dale, que é algo revolucionário. ?? uma briga injusta. Cada personagem tem um tempo para executar movimentos em Pool of Radiance, sendo a barra de espaço usada para precipitar o encerramento de um turno, caso não haja mais o que fazer. Este tempo nem sempre é generoso, e diante da não tão amigável interface, o processo pode ser tornar frustrante. Clicando com o botão direito sobre o personagem, temos acesso a um menu com opções de ataque, movimento, feitiço etc, que são essenciais durante o combate. O problema maior surge quando você tem poucos segundos para ir ao personagem da vez, usar o botão direito e diante de uma árvore de feitiços, por exemplo, ter que pescar aquele ideal para a situação. ?? algo pouco prático, e o próprio layout dos menus não é algo muito bem produzido.

Com essas batalhas ocorrendo do início ao fim, Pool of Radiance acaba sendo um jogo bem repetitivo e sem ritmo. A aventura pode ser recompensada pela variedade de itens e tesouro que se consegue nas batalhas e nos dungeons, mas falta-lhe ambientação, uma história envolvente, ou no mínimo um "Dungeon Master" que lhe dê emoção. Há sim um "Dungeon Master" no jogo, mas é apenas um escrito frio (até a letra é azul) no canto da tela.

Obviamente Pool of Radiance não é um jogo totalmente frio. Como você pode ver pelas fotos, o cenário é bonito, o desenho dos personagens é detalhado e há certa preocupação com a ambientação. A trilha sonora, que mais uma vez está anos luz da orquestra sinfônica que toca em Baldur& 39;s Gate, passa alguma emoção e os efeitos de som não comprometem. Algo realmente digno de elogios é a pirotecnia usada nos feitiços, muito variados e realmente belos. No geral, é algo adequado, pouco atraente para o jogador casual, mas o suficiente para um fã de RPGs.

O Veredicto:
Pool of Radiance: As Ruinas de Myth Drannor é um jogo para agradar somente o jogador "hardcore", fanático pelo sistema D&D e o universo da Forgotten Realms. Sua produção é modesta, o ritmo é lento e a jogabilidade se limita praticamente à experiência das regras do D&D nas infinitas batalhas. Opções mais acessíveis e competentes estão por aí aos montes e este chegou tarde demais.

Prós:
- São 100 horas de aventura;
- As batalhas são boas, pelo menos enquanto houver interesse por elas; - Alguns cenários bacanas;
- Belos efeitos de magia;
- Uma infinidade de itens.

Contras:
- Interface meio desengonçada, frustrante;
- Ambientação no geral é pouco convincente, sem muita atenção aos detalhes;
- Algumas limitações na criação de personagens;
- Os dungeons são repetitivos demais.


Nenhum comentário

||
Outer Space
6/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Tópicos relacionados

©2016 GameVicio