GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Prisoner of war para PC de Outer Space

por Giordano Trabach, fonte Outer Space, data  editar remover


Quem não se lembra dos clássicos jogos de aventura para o PC que encheram nossas casas de alegria no passado, como Maniac Mansion, Day of the Tentacle, Leisure Suit Larry, Indiana Jones and the Fate of Atlantis, The Dig, Full Throttle, entre outros?

Em uma tentativa de fugir dos gêneros comuns na atualidade, aproveitando a moda atual que paira sobre o tema Segunda Guerra Mundial, a Codemasters preparou Prisoner of War, um adventure como nos velhos tempos, porém com um visual todo em 3D. Se ele conseguiu ou não nos fazer reviver os anos dourados do gênero você confere mais abaixo.

Back to the past


POW começa quando o capitão Lewis Stone, piloto da esquadrilha de bombardeio da força aérea norte americana e nosso herói, e seu companheiro J.D. têm sua aeronave abatida por artilharias nazistas no meio de uma missão de espionagem. Eles conseguem sobreviver saltando de pára-quedas do avião em chamas, mas acabam caindo em território inimigo, sendo capturados.

Ambos são levados para uma pequena base alemã e lá ficam mantidos como prisioneiros de guerra. A partir daí, assumimos o comando do capitão Stone com o único objetivo de escapar do covil nazista a todo custo, antes que chegue o natal.

Para isso, você deverá passar a observar a movimentação da base e conversar com outros prisioneiros até que fique por dentro das rotinas do local. Após decorar o posicionamento dos sentinelas e comprar itens da mão de outros prisioneiros, sempre sem atrair a atenção dos oficiais alemães, basta você colocar em prática as suas habilidades de Fernandinho Beira-Mar para fugir. Claro, devemos sempre ficar de olho no horário das inspeções diárias (de manhã, a tarde e a noite) para não levantar suspeita. Os melhores horários para tentar algo mais ousado são após o toque de alvorada ou de recolher, na hora do café, almoço e janta, e durante toda a tarde, que é livre.

Ande prisioneiro, ???schnell???


POW traz uma impressão inicial muito boa, conseguindo nos fazer recordar dos velhos tempos dos jogos de aventura pela sua grande quantidade de diálogos, itens para pegar e usar, e enigmas para solucionar. Sua jogabilidade simples e amigável se resume em andar com o personagem utilizando as setas direcionais do teclado e olhar e interagir com os ambientes através do mouse. Não há nada que o obrigue a ficar pulando ou esticando os dedos pelo teclado para fazer malabarismos, pois são a calma e paciência que reinam aqui.

Essa calmaria é um dos pontos que deve desagradar alguns jogadores. Além da resposta lenta do personagem aos comandos, a ausência de alguma ação pode assustar quem comprou POW pensando que fosse um jogo de guerra. O foco dele é no raciocínio, coleta de informações e movimentação furtiva, não existem tiroteios ou ao menos brigas.

Tecnicamente falando, POW não deixa a desejar em nenhum quesito. Seus cenários em 3D são bem decentes e tornam a exploração prazerosa, e o gráfico no geral exerce bem seu papel (não espere um visual de uma super produção, pois POW tende a ser simples, sem exageros). Na parte sonora a única coisa que merece algum destaque é a dublagem dos personagens, principalmente dos alemães, com aquele sotaque carregado. Hilário. No mais, não tem nada de especial.

Pego pulando o muro


Um ponto que é bom, mas poderia ser melhor é a inteligência artificial. Ao mesmo tempo em que os soldados nazistas têm reações diversas e interessantes de acordo com as situações, seus campos de visão são extremamente limitados (o que é bastante irreal) e eles seguem o mesmo caminho durante um dia inteiro. ?? fácil demais decorar onde cada um irá, tornando uma moleza o processo de timing para passar por eles desapercebido. Se por acaso você der azar e ser pego em uma área proibida, basta passar o resto do dia em uma cela, que acaba-se solto no dia seguinte, podendo reincidir mais umas 200 vezes que a punição nunca será mais severa.

Talvez o maior defeito de POW fica para linearidade de sua evolução. As suas várias missões devem ser completadas sempre em ordem e não existem side quests, ou seja, você é obrigado a fazer aquilo e ponto final. Essa peculiaridade contrasta com a liberdade de exploração (explore o que quiser, mas você não pode fazer nada), e só não é capaz de tornar o jogo maçante por que ele é curto demais.

O Veredicto:
Prisoner of War consegue saciar, em parte, a saudade que temos dos jogos de aventura do passado. ?? bem divertido e original, diferente da grande maioria dos jogos atuais que só sabem focar na ação desenfreada. Poderia ser bem melhor se não fosse tão linear e pequeno, mas mesmo assim não deixa de ser acima da média.

Prós:
+ Bem original e diferente do que existe na atualidade;
+ Divertido a valer;
+ Vozes bacaninhas;

Contras:
- Um bocado pequeno;
- Muito linear, não dá para você fazer o que quiser na hora que quiser;
- Inteligência artificial podia ser melhor.


Nenhum comentário

||
Outer Space
7/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach
©2016 GameVicio