GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Grand Theft Auto: Vice City para PS2 de Outer Space

por Giordano Trabach, fonte Outer Space, data  editar remover


Grand Theft Auto: Vice City, o jogo do momento, faz uma justa homenagem a uma das décadas mais relevantes da história da humanidade: os anos 80, época em que um mundo foi apresentado a revoluções como a lata de Geleca, o jogo de cartas Super Trunfo, tênis Kichute, Karate Kid e a música New Wave.

?? neste período mágico que se insere a história de Tommy Vercetti, marginal atuante na metrópole de Liberty City (a cidade de GTA 3) que resolve mudar de praça, aceitando um trabalho sujo em Vice City, uma espécie de Miami virtual. Mas o serviço, que aparentemente era apenas uma troca de dólares por talco colombiano, acaba num banho de sangue, com Tommy perdendo o dinheiro e se metendo numa enrascada que agora envolve o seu contratante, da máfia liberty-citiana, e as gangues locais.

O objetivo inicial de Tommy é recuperar o dinheiro da máfia, mas logo ele será seduzido pela atividade criminosa de Vice City e a idéia de ser o manda-chuva deste lugar ensolarado, cheio de garotas de biquíni, carros conversíveis e dry-martini.

Push it to the limit!


Grand Theft Auto: Vice City muda a cidade e os personagens, e adiciona inúmeras novidades interessantes, mas a essência de GTA 3 se mantém rigorosamente a mesma. Fãs do jogo do ano passado vão apreciar cada mudança, mas por mais genial que seja a equipe da Rockstar, a sensação de déjà vu durante todo o jogo é enorme. Este é GTA 3,5.

Mas GTA 3 é um jogo fenomenal e, neste contexto, a repetição não é exatamente um mal negócio. O trabalho da Rockstar para reciclar o ???engine??? do jogo e ainda adicionar tudo aquilo que ficou faltando no ano passado é impressionante.

Pra começar, GTA: Vice City está visualmente mais sofisticado. Há um efeito de borrar a imagem muito interessante (pode ser desligado, caso prefira), que ajuda a criar uma ambientação bem realista, valorizando a alta umidade e sol escaldante da Miami virtual. Na ???Ocean Drive???, a avenida que acompanha o mar, você pode reparar as construções art-deco típicas de Miami refletindo o sol, e criando uma aura em volta das paredes. Os carros também produzem reflexos de sol nos vidros e na lataria quando passam por um trecho realmente ensolarado. A chuva, que ocorre praticamente todo dia, deixa gotinhas na tela da sua TV e, como venta bastante nesta região também, você vê sempre um galho de palmeira voando pela rua, no meio da poeira da praia e da sujeira deixada pelos farofeiros.

Além disso, pode-se notar algum progresso gráfico no efeito da água do mar e na capacidade do jogo de exibir os objetos mais distantes do cenário. Muita gente vai reclamar de serrilhado, formas poligonais simples e animações quase sempre grosseiras, mas, pelas barbas do profeta, nenhum jogo jamais chegou perto da ambição de se ter uma metrópole virtual gigantesca, razoavelmente detalhada e totalmente aberta à exploração, seja a pé, de carro, moto, barco, avião, etc. Na geração do Playstation 2, é difícil imaginar um Grand Theft Auto mais impressionante visualmente.

Outra novidade amplamente divulgada do jogo é a presença das motocicletas, e a possibilidade de conduzi-las. Você vai encontrar uma boa variedade de motos na cidade, esportivas que aceleram de 0 a 100 num piscar de olhos, motos para ???cross???, uma ???chopper???, e até uma lambreta escrotinha. Empinar essas motocas na roda da frente ou de trás rendem pontos para o ranking de loucuras do jogo.

Atendendo a pedidos, agora é possível pilotar um helicóptero ou avião pela cidade. Dá pra ver a bela Vice City inteira lá do alto, incluindo um hotel no qual o zelador gosta de desenhar um gigantesco pênis através de janelas acesas e apagadas. Há também o helicóptero e aviãozinho de controle remoto, que são utilizados em algumas missões e mini-games bem bacanas!

A possibilidade de adquirir propriedades pela cidade é mais uma boa novidade. Você pode gastar o dinheiro comprando uma boate, um hotel com direito a heliporto e múltiplas garagens, uma mansão, efim, espalhar seus tentáculos pela imunda Vice City.

Mais estrelas que no Live Aid


GTA: Vice City mantém a excepcional qualidade de seu antecessor na trilha sonora e nos talentos vocais contratados para fazer a dublagem dos personagens.

Diferente de GTA 3, quando jogávamos com um ser anônimo e mudo, agora temos um sujeitinho pra lá de eloqüente chamado Tommy, que é dublado por Ray Liotta (Os Bons Companheiros, Hannibal). Particularmente, prefiro o cidadão blasé de GTA 3 a Tommy ???Ray Liotta??? Vercetti, que tende a ser muito mascarado, apesar da dublagem de alto nível.

A atriz pornô Jenna Jameson (Cum One Cum All, Jenna Loves Rocco) faz um trabalho oral no jogo, na dublagem de Candy Suxxx, nova rainha do silicone de Vice City. Além da famosa putchanga temos Dennis Hopper (Veludo Azul, Velocidade Máxima) fazendo a voz do diretor de cinema Steve Scott, Burt Reynolds (de zilhões de filmes policiais) como o empreiteiro texano Avery Carrington e a cantora Deborah Harry, do Blondie, no rádio do Táxi, só pra citar os mais famosos.

A trilha sonora de GTA: Vice City é composta do mais fino pop e rock dos anos 80. Uma seleção de muito bom gosto, digna de uma produtora escocesa como a Rockstar. Fever 105, conduzida pelo DJ Oliver ???Ladykiller??? Biscuit - que ama a música e as mulheres com a mesma intensidade -, é uma das minhas prediletas, com uma seleção de pop e soul que inclui a inesquecível Summer Madness, de Kool & The Gang.

Fernando Martinez e Toni, figurinhas famosas de GTA 3, aparecem em Vice City como DJs das rádios Emotion e Flash FM, que tocam, entre outras, hits populares dos 80 de Hall & Oates, Yes, Michael Jackson, Lionel Richie, Roxy Music, Kate Bush etc. Lazlow, que conduz a Chatterbox em GTA 3, é o DJ da rádio de rock que traz heavy-metal do calibre de Iron Maiden e Judas Priest.

A rádio de rock merece atenção especial pelas músicas da Love Fist, banda de escoceses bi-sexuais (segundo palavras do próprio Tommy Vercetti) criada pelo pessoal da Rockstar para participar do jogo não apenas na trilha sonora como nas missões também. Uma das músicas mais bacanas e engraçadas que se houve no rádio é exatamente da Love Fist, pra comprovar que a equipe da Rockstar é realmente muito talentosa.

Grande parte do sucesso fenomenal obtido por GTA 3 no ano passado pode ser atribuído ao carinho com que a equipe de produção tratou a trilha sonora e a produção das rádios. Deveria servir de exemplo para muitas produtoras por aí que ainda acham que competência artística é ser capaz de aplicar uma textura em resolução maior que a concorrência.

Hay que ter los cojones


A parte ???jogável??? de GTA: Vice City é bem similar à de GTA 3. Não é melhor que o anterior. Na verdade é um pouco pior, embora tenha progredido em vários aspectos.

Enquanto GTA 3 era baseado em missões motorizadas 90% do tempo, GTA: Vice City é mais variado, e tem muitas focadas no tiroteio. Apesar de muitas missões serem criativas e mais complexas, se comparadas ao jogo anterior, elas trombam com um problema crônico de GTA: o sistema de mira e câmera, que apesar de ter melhorado, ainda é ruim.

O sistema de travar nos inimigos está melhor, mas o problema de não conseguir acertar aquele alvo desejado (a mira insiste em travar em outro alvo) não foi solucionado. Nem mesmo as armas com mira em primeira pessoa estão isentas de críticas. O jogo permite que você agache usando o botão L3 para ganhar mais precisão na pontaria, mas o controle da mira é tão impreciso, e exageradamente ???sensível??? ao toque, que você fica sempre alguns segundos com a mira sambando de um lado pro outro sem conseguir parar exatamente no ponto que você deseja. Ademais, Tommy parece constantemente sob efeito de alguma metanfetamina, movendo-se rápido demais para ser controlado.

Em uma das missões um cubano quer que você prove que tem colhões grandes, ou ???big cojones??? como eles dizem lá em Miami, mas ter bolas de aço em Vice City parece ser pouco. Você precisa também de nervos do mesmo material. Há dificuldade exagerada em muitas missões e por isso eu recomendo que você tenha um copo de água com açúcar sempre ao lado.

O começo do jogo é um melzinho na chupeta, mas de repente vêm missões cronometradas, onde você tem que fazer as maiores loucuras com um tempo muitas vezes mal calculado, e você passa a ter que repetir cada uma cinco ou mais vezes para chegar ao sucesso. A sensação de alívio que se tem ao concluir cada missão na parte final mostra que você está sofrendo de verdade e se estressando desnecessariamente por causa do mal balanceamento ou da mecânica defeituosa do jogo. Da metade pra frente, você provavelmente estará completando as missões com um ???ufa!??? e o desejo de nunca mais ter que repetir aquilo.

O jogo te dá um táxi na porta do hospital ou casa sempre que você morre ou fracassa. Ele te leva para o ponto de início da missão, mas às vezes isso não resolve, pois você tem muitas vezes que repetir o ritual de ir na loja comprar armas e colete a prova de balas antes de partir pra ação.

E tem outra. Em muitas missões o jogo inventa de te passar instruções essenciais para o entendimento das mesmas depois que elas já começaram! Imagine você numa missão onde um piscar de olhos pode fazer seu carro rodar, você tomar o caminho errado ou acertar no alvo errado, e de repente aparece uma caixa de texto que te obriga a parar pra ler. Jesus! Fica claro que muitas missões foram feitas para serem resolvidas na tentativa e erro, o que é lamentável.

Por trás desses problemas há um jogo que é o mais incrível dos últimos anos, portanto a força de vontade para aproveitar a parte boa provavelmente fará com que você faça vista grossa e siga em frente, apreciando GTA: Vice City até o fim.

Quem jogou GTA 3 pode esperar algumas missões mais ???épicas???, como aquela onde você atirava com um rifle enquanto Bola Oito penetrava no navio e plantava explosivos. Em uma das mais interessantes, ainda no início do jogo, você sobrevoa mansões dos barões da coca de helicóptero, com seu amigo Lance Vance pilotando e você na metralhadora atirando no estilo ???House of the Dead???.

Aliás, tudo em GTA: Vice City é maior que em GTA 3, mas não significa que seja melhor. A própria Vice City é uma cidade maior, mas menos interessante que Liberty City. GTA 3 tem uma cidade mais variada, com metrô, viadutos, muito relevo etc. Vice City, que também é uma metrópole inacreditável para um jogo, tem a vantagem de possuir ambientes internos (os shoppings são bem bacanas por dentro), mas suas ruas são mais repetitivas e não tão marcantes quanto as da cidade de inspiração nova-iorquina.

Para um jogo que gastou apenas um ano para ser feito GTA: Vice City oferece mais do que se poderia pedir, mas não faz o milagre de superar seu antecessor em todos os aspectos. Com tempo e um console mais poderoso, o céu será o limite para a Rockstar e a série Grand Theft Auto.

O Veredicto:
Imperfeito e sem o mesmo impacto do original, mas bacana pra chuchu!

Prós:
+ Trilha sonora sensacional. Nota mil!
+ Tema adulto e divertido como nunca se viu;
+ Dublagem de altíssimo nível;
+ Liberdade para fazer o que der na cabeça;
+ Durabilidade enorme;
+ Engraçado demais.

Contras:
- Por ser muito parecido com GTA 3, não causa o mesmo impacto;
- Sistema de mira ruim;
- Um bocado de bugs. Faltou tempo aos produtores;
- Muitas missões frustrantes.


Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Outer Space
9/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

©2016 GameVicio