GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Sacred 2: Fallen Angel para PC de Outer Space

por Giordano Trabach, fonte Outer Space, data  editar remover


Não faz tanto tempo assim que todos os jogos de tiro em primeira pessoa eram chamados ???clone de Doom??? ??? em referência ao jogo que foi um importantíssimo marco para o gênero e para os games em geral. Hoje, os ???clones de Doom??? evoluíram bastante e são chamados de FPS, constituindo um gênero de verdade. O mesmo acontece hoje com os chamados ???clones de Diablo???, que são jogos como Titan Quest e Sacred, que reutilizam a fórmula do blockbuster da Blizzard. A expectativa é de que um dia apareçam lançamentos que façam a diferença e consigam ultrapassar os limites do clichê para fazer algo parecido, porém marcante. E Sacred 2: Fallen Angel, desenvolvido por alemães para PC e consoles, é um jogo que não chega nem perto disso.

Mais um clone
Apesar de ser ambientado em um cenário de fantasia similar, Sacred 2 narra eventos acontecidos cerca de 2 mil anos antes da história do primeiro jogo. A história é bem simples: uma energia misteriosa chamada T-Energy, que antes era controlada pela raça dos Seraphim, hoje é disputada por duas facções de elfos. Além disso, a T-Energy está saindo do controle, causando o caos e gerando criaturas mutantes mortíferas. Um tipo de gancho para a história que não é nem um pouco original ou interessante. E a evolução do enredo no jogo e igualmente decepcionante e não serve como incentivo para avançar no título. Na verdade, é quase o contrário disso.

Mas se um elemento tão importante em um jogo com ambições de RPG quanto a história decepciona, ainda existe algo que pode incentivar alguns a enfrentar muitas horas de jogo em Sacred 2: as classes e suas evoluções. MMOs como Ragnarok e World of Warcraft são a prova viva de que ???upar??? (passar de nível e melhorar habilidades) é algo divertido e potencialmente viciante. E nesse ponto Sacred 2 acerta com suas seis classes: a Seraphim, uma espécie de anjo-mulher-guerreira; o Inquisitor, que é um tipo de mago das trevas; o Shadow Warrior, um guerreiro ressuscitado que tem poderes sombrios; o Temple Guardian, que é um homem-cão-máquina com uma espécie de canhão laser; a High Elf, uma feiticeira elfa; e a Dryad, especialista em combate a distância.

A evolução dos personagens, em um sistema de experiência bem balanceado, acontece da forma tradicional aqui, com poucas diferença do que é visto em jogos similares. A presença de montarias exclusivas (e quase obrigatórias) para os personagens é um diferencial interessante e divertido e, no geral, a atividade de passar de nível com os personagens é o grande atrativo em Sacred 2.

Para ter os pontos de experiência necessários para os próximos níveis, o jogador deve fazer o esperado: sair atrás de monstros que infestam o mundo e procurar missões para serem solucionadas. Existem muitas quests no jogo, e elas são encontradas como em World of Warcraft: qualquer NPC (personagem não jogador) com uma interrogação sobre a cabeça tem algum tipo de bico para o personagem.

Mas enquanto a larga quantidade de quests que não são ligadas à história princial é certamente algo positivo no jogo, a qualidade das mesmas é um ponto negativo bem mais relevante. A grande maioria das quests envolve algo bobo e repetitivo como matar uma quantidade X de inimigos do tipo Y ou encontrar o objeto Z, tudo isso com um enredo nada interessante por trás.

Mas a melhor forma para jogar Sacred 2 é com os amigos. O jogo oferece a possibilidade de que até 16 jogadores joguem cooperativamente ou se enfrentem em partidas pela internet ou rede local. No modo cooperativo, o jogo fica bem mais divertido: lutando juntos e trocando itens, os jogadores conseguem construir um elemento social forte o suficiente para avançar mais nas campanhas.

Blind Guardian de quebrada
Mesmo quem não gosta do metal de Blind Guardian entende a importância da banda no cenário e o peso que isso tem na trilha sonora de qualquer jogo. Para quem gosta então, a presença dos alemães é certamente um ponto positivo. Portanto, com um nome desses envolvido, era de se esperar uma parte sonora impecável em Sacred 2. Mas isso não é verdade.

Apesar da trilha ótima, o jogo peca muito na questão das dublagens: a maior parte das falas dos personagens é tão desprovida de emoções quanto um vulcaniano de Jornada nas Estrelas. E pra piorar, muitas falas tentam ???descontrair??? o clima com frases engraçadinhas como monstros dizendo ???Ei jogador, eu sei onde você para seu carro???, e por aí vai. As vezes aparece algo realmente engraçado, mas na maior parte do tempo são falas que dão até vergonha.

A parte visual também é outro ponto que quase chegou lá. Com gráficos legais é efeitos visuais bem bonitos, Sacred 2 conseguiria impressionar nesse quesito se não fosse a quantidade de problemas técnicos presentes, principalmente na sua versão para PC. Criaturas que desaparecem, atravessam o chão ou paredes, efeitos no lugar errado e outros são exemplos leves do que acontece no visual do jogo. Além disso, existem também outros bugs menores espalhados pelo jogo que incomodam bastante.

O Veredicto
Sacred 2: Fallen Angel é um jogo que poderia ser uma boa alternativa no gênero de Diablo. Além de contar com Blind Guardian na trilha sonora, o ???Action RPG??? apresenta classes interessantes, com habilidades divertidas e, principalmente, montarias que dão um sabor único ao jogo. Mas a história boba, a falta de variação na fórmula de matar-pilhar-upar, as dublagens fraquíssimas e a quantidade de bugs espalhados por todo o jogo são um forte contra-incentivo para jogar.

Prós:
  1. Blind Guardian na trilha-sonora;
  2. Classes têm conceitos e montarias interessantes;
  3. Multiplayer é divertido.


Contras:
  1. Fórmula repetitiva cansa bem rápido;
  2. Infestação de bugs e problemas de estabilidade atrapalham bastante;
  3. Dublagens horrendas em vários momentos;
  4. História bobinha.



Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Outer Space
5/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach

Reviews da crítica

4.4 / 10
GamesBrasil
8 / 10
GameVicio
8 / 10
Eurogamer
©2016 GameVicio