GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Neverwinter Nights 2 para PC de Outer Space

por Giordano Trabach, fonte Outer Space, data  editar remover


Além de chegar como o mais novo representante de uma linhagem bem sucedida de RPGs para PC, que começa com Baldur???s Gate e vai até Knights of the Old Republic, o novo Neverwinter Nights 2 carrega também a insígnia oficial de Dungeons & Dragons, o primeiro jogo de RPG do mundo, que já existe a mais de 30 anos.

Dugeons & Dragons foi o pioneiro dos RPGs (Role Playing Game) no mundo, considerando RPG aquele jogo que reúne um narrador, um punhado de dados e fichas e outros jogadores interpretando personagens. Esses mais tarde inspiraram a criação de RPGs para videogames, que acabaram ficando mais populares que o orginal, principalmente com o advento dos MMORPGS.

Masmorras & Dragões
Como é de praxe em RPGs de PC baseados em Dungeons & Dragons, logo de início o jogador deve criar seu personagem, quase que como no RPG ???de mesa???, usando as regras revisadas da edição 3.5 de D&D. E ao criar esse personagem, é possível perceber a infinidade de opções e detalhes a serem ajustados. Se no primeiro Neverwinter as possibilidades já eram muitas, a revisão das regras no 3.5 expandiu ainda mais esse leque: são 16 opções de raças e sub-raças e 12 classes básicas além das 17 classes de prestígio que podem ser usadas por jogadores em níveis mais elevados. O jogador também deve definir algumas habilidades especiais e perícias para o personagem, e definir a lista de magias do mesmo, caso ele tenha essa habilidade. A aparência e voz também podem ser customizadas, e apesar da ferramenta para isso não chegar aos pés de um The Sims 2, está bem mais agradável e funcional que os antecessores do mesmo gênero, possibilitando visuais realmente legais e diferentes.

Quem for mais preguiçoso pode sempre avançar com velocidade por toda essa criação de personagens apertando um botão de recomendações, mas que fique claro que criar personagens nas regras do D&D 3.5 é muito divertido. Algumas alterações na fórmula das regras tradicionais de D&D foram feitas visando um certo equilíbrio e jogabilidade no PC, e apesar de alguns RPGistas tradicionais chiarem com as alterações, a mudança é essencial para que desde um clássico humano paladino até um exótico drow (elfo negro) bardo sejam jogáveis. Tudo isso garantido pelo selo de autorização oficial de D&D e usando sistemas de experiência e combates muito bem balanceados. Uma pequena falha nessa progressão é que a Obsidian omitiu as regras para nível épico (acima do 20º nível). Essas regras aparecem na expansão de Neverwinter Nights 1 chamada Hordes of the Underdark, o que deixa claro a estratégia da empresa: em breve teremos uma expansão de Neverwinter Nights 2 com essas regras.

O mais interessante é que depois de tantas variações na criação do personagem, o jogo consegue ser bem sucedido naquilo que o primeiro Neverwinter falhou miseravelmente: um enredo envolvente, que consegue permitir qualquer tipo de personagem sem ser genérico demais ou incoerente. O capricho da Obsidian foi muito grande nesse aspecto, destacando principalmente os diálogos (apesar das dublagens serem um pouco decepcionantes). As opções de conversa são inúmeras, e as características do personagem influem diretamente nas mesmas. Um personagem halfling ladino, ao se encontrar com um duergar guerreiro certamente vai contar com opções de diálogo diferentes de um anão clérigo na mesma situação. Esses pequenos detalhes são definitivamente a maior atração do jogo, possibilitando uma interatividade absurda se comparada com outros títulos do gênero. Mas apesar da história do jogo ser muito boa e interativa, demora um pouco de tempo até o esse enredo começar a ser interessante, e até lá, o jogador terá de ter um bocado de paciência. No mais, apesar de bom, o enredo não chega aos pés de grandes do mesmo estilo, como Planescape Torment.

Neverwinter Nights 2 é ambientado no clássico Forgotten Realms, um mundo de fantasia com dragões, elfos e outros elementos. Apesar do nome referir-se a cidade de Neverwinter, a ação do jogo acontece em grande parte do continente de Faerûn, que já é velho conhecido de quem jogou Baldur???s Gate ou Icewind Dale, e também de quem conhece a versão de mesa de cenário. A história do personagem principal começa na pequena vila de West Harbor, criada especialmente para o jogo, e quando a cidade Neverwinter finalmente aparece, pode se dizer que ainda é o começo de uma longa jornada.

Uma grande diferença entre essa aventura em relação ao primeiro Neverwinter é que agora é possível comandar seu grupo de personagens com controle total, podendo até mesmo escolher as progressões de habilidades dos mesmos. Não é exatamente uma novidade, já que em Baldur???s isso já existia, mas a ausência desse elemento no primeiro Neverwinter foi um erro imperdoável.

Interface
Na contramão da simplicidade e eficiência do sistema de regras de D&D está uma combinação de erros que quase estraga Neverwinter Nights 2, a começar pela desajeitada interface do jogo. Apesar de conservar as mesmas características dos antecessores na série, a ausência de comandos intuitivos e dicas de acessibilidade atrapalham um pouco a jogabilidade aqui. Parece que o sistema está um pouco ultrapassado por sistemas mais dinâmicos para ações simples como abrir portas, trocar itens entre os personagens, bater em monstros e outras coisas simples. Não chega a ser um grande defeito, mas por uma terrível coincidência, ele se associa a um segundo defeito, somando um problema bem mais grave.

Esse segundo defeito é a câmera péssima do jogo. Não existe configuração que consiga manter uma visualização decente sem ajustes constantes, o que é muito, muito irritante. Com estas duas falhas, personagens que atacam à distância, como arqueiros e magos, levam grande desvantagem por nunca conseguirem ver seus alvos. E qualquer um é obrigado a pausar o jogo com uma freqüência absurda para poder visualizar as batalhas e ambientes do jogo.

Outro defeito relevante de Neverwinter Nights está justamente nos ambientes. Como requerimentos de sistema extramente pesados, é curioso perceber que os gráficos não correspondem às exigências, e mesmo em configurações mais elevadas, não há nada no visual do jogo que justifique tanto consumo de sistema. O design dos personagens e elementos de jogo está interessante, mas as texturas, cores e efeitos (a exceção das magias) são bem simplificados, e não apresentam nada de surpreendente.

RPG à moda antiga
Mas o grande destaque de Neverwinter Nights 2 não é o modo singleplayer e sim a versão com muitos jogadores, que tenta simular uma sessão de RPG à moda antiga. Os avanços nesse sistema são muitos e, em um balanço geral, conseguem deixar o jogo multiplayer de Neverwinter Nights 2 superior ao de todos seu antecessores. Um pequeno contraponto é a dificuldade de achar pessoas dispostas a jogar, talvez pelo fato de o jogo ainda ser recente. ?? possível que com o tempo esse problema seja resolvido, mas por enquanto, é um incômodo real. Além disso, quem instalar o jogo hoje vai encarar algumas horas de atualizações para jogar online, com várias correções de bugs e outros. Se já é assim por agora, é provável que daqui um tempo a atualização fique imensa para iniciantes, se tornando um empecilho real.

Mas se o tempo fará da atualização de Neverwinter Nights 2 um problema, é provável que um grande bônus apareça junto ao envelhecimento do jogo: os mods criados pela comunidade do jogo. No primeiro Neverwinter, o modo singleplayer era bem fraco, e o que salvava o título eram os mods variados, incluindo alguns bem caprichados de outros cenários de D&D, como Ravenloft. Com uma ferramenta de criação ainda mais sofisticada e poderosa, é quase certo que mods excelentes apareçam para Neverwinter 2 com o passar dos meses, aumentando ainda mais o valor do jogo.

O Veredicto
Quem já jogou qualquer jogo no estilo de Baldur???s Gate, Knights of The Old Republic ou Icewind Dale não se decepcionará com o novo Neverwinter Nights 2, assim como aqueles que gostam do Dungeons & Dragons na versão ???de mesa???. Esta seqüência conta com um singleplayer sólido e o suporte de um excelente multiplayer, e a aplicação do sistema de regras de D&D nunca foi tão bem feita. Mas alguns defeitos conseguem manchar o que parecia ser ótimo: a interface desatualizada e pouco intuitiva, a câmera atrapalhada e os gráficos que não correspondem aos pesados requerimentos de sistema. Apesar de tudo, vale a pena engolir esses incômodos para curtir a adaptação mais fiel de D&D para PC.

Prós:
  1. Licença oficial de D&D muito bem aproveitada;
  2. Bom enredo;
  3. Multiplayer excelente;
  4. Possibilidade de ótimos mods no futuro.


Contras:
  1. Interface ultrapassada;
  2. Câmera péssima;
  3. Requerimentos pesados sem retorno nos gráficos;
  4. Sem regras para nível épico.



Nenhum comentário

||
Outer Space
8/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Giordano Trabach
©2016 GameVicio