GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Sins of a Solar Empire para PC de Eurogamer

por GameVicio, fonte Eurogamer, data  editar remover


Sins of a Solar Empire é um jogo que nos faz entrar na máquina do tempo e recuar quase uma década. Estávamos no final de 1999 quando a Relic Entertainment em conjunto com a Sierra Entertainment lançaram um dos jogos que mais marcou a nossa já longa vida de jogadores. Para todos os que já andam nestas andanças há uns bons anos já devem saber a que jogo nos estamos a referir, sim é mesmo o aclamado Homeworld que com a sua qualidade conquistou desde logo a crítica especializada da altura.

Voltando ao jogo que nos trás até aqui, Sins of a Solar Empire é um RTS, a cargo da Ironclad Games, que contem muitas das características do já referido Homeworld. Apesar das semelhanças este jogo consegue destacar-se e levar a experiência para outro patamar. Bem mais complexo, mais exigente e muito mais táctico, Sins of a Solar Empire é o que denominamos por RT4X, eXplore, eXpand, eXploit, eXterminate.

Sins of a Solar Empire tem como pano de fundo um universo futurista dominado pela sistemática procura e comercialização de recursos. Apesar de toda a história se desenrolar num futuro bem longínquo, as semelhanças com o mundo actual são mais que evidentes. Toda a história de Sins of a Solar Empire gira à volta do domínio e controlo dos recursos disponíveis pelo universo fora.

Tudo tem início quando a Trade Emergency Coalition é surpreendida por um ataque dos alienígenas Vasari Empire. Apesar de os ter apanhado desprevenidos, estes rapidamente se reorganizaram e ripostam em força. Os Vasari são uma raça que poderíamos denominar como ???nómadas??? do futuro, já que andam de sistema em sistema em busca de recursos, e quando já se encontram abastecidos partem para outras paragens. Para além destas duas raças temos ainda ao nosso dispor uma terceira denominada por Advent que tiveram a sua origem bem antes da criação da Trade Emergency Coalition. Esta ultima obrigou os antepassados dos Advent a abandonar a sua terra-mãe e viver como exilados.

As três raças disponíveis possuem, como seria de esperar, características bem diferentes. Depois de escolhermos uma delas teremos que explorar os seus pontos fortes e ocultar as suas fragilidades. Todas as raças possuem uma árvore de investigação muito própria, tanto a nível militar como civil. A investigação e descoberta de novas tecnologias são cruciais para a sobrevivência do nosso império.

Ao contrario do que seria de esperar, Sins of a Solar Empire não possui um modo história, o que não deixa de ser um pouco desolador. Quem não gosta de uma boa historia de ficção científica? Apesar desta lacuna o jogo possui modos de jogo suficientes para nos ocupar durante longas horas e mesmo longos dias. Sins of a Solar Empire é um jogo de paciência que requer tempo para ser jogado. Se pensam que é pegar no jogo instalar, jogar e conquistar, estão bem enganados. Este é um jogo deveras exigente e com uma linha de aprendizagem um pouco lenta mas muito intuitiva. Aconselhamos a ter sempre à mão o manual do jogo pois muitas vezes só mesmo com o recurso ao mesmo podemos compreender certos aspectos do jogo.

Como seria de esperar, Sins of a Solar Empire possui um modo de treino onde podemos aprender desde os aspectos mais básicos do jogo até aos mais exigentes e complexos. Este tutorial revela-se um pouco monótono e cansativo, pois é desprovido de uma voz de comando. Toda a aprendizagem é efectuada por leitura, sendo neste aspecto diferente de Homeworld que fazia uso de uma voz de comando. Aconselhamos a todos os jogadores a completar o modo tutorial pois a exigência do jogo assim o obriga.

Após terminar o modo de treino, estamos preparados para defrontar os nossos inimigos. No jogo tudo, ou quase tudo, é configurável. Podemos criar os nossos próprios mapas, alterar um infindável número de características tais como o número de adversários, a dimensão do universo a conquistar, a velocidade do jogo, entre muitos mais. No jogo existem cenários já pré configurados, que vão desde os mais rápidos até aos mais longos podendo durar horas, dias ou mesmo semanas a completar o jogo. Após a configuração dos vários aspectos do jogo temos que escolher uma das raças com a qual partimos à conquista do universo. Relembramos que cada uma das três possui características diferentes.

No inicio o nosso império é relativamente pequeno, estando confinado a apenas um planeta. Rapidamente temos que iniciar a permanente busca de recursos, cristais e metal, imprescindíveis à nossa subsistência e evolução. Os cristais são muito raros, enquanto que os metais já são mais abundantes. Um terceiro recurso, créditos, é adquirido através da recolha de impostos. Sim é verdade, até no futuro somos obrigados a pagar impostos. Os recursos também podem ser comercializados no mercado negro, podemos vender e comprar os cristais e metal consoante as nossas necessidades. Estes três recursos são vitais para toda a nossa actividade, deles depende um infindável número de tarefas. A construção de infraestruturas, a construção de naves, a investigação de novas tecnologias, a evolução de um planeta, em suma, toda a actividade depende dos recursos que possuímos.

Convêm gerir bem os nossos recursos e efectuar as escolhas certas no que toca tanto à investigação como à construção. Algumas infraestruturas são bastante importantes e vitais para o sucesso da nossa campanha. Não esquecer de construir plataformas de defesa, estações de investigação, plataformas de reparação e claro naves de combate.

Em relação às naves, temos variadíssimos ???modelos???, umas super poderosas, com enorme poder de fogo e outras mais versáteis e rápidas. No jogo é importante investigar bem o universo que nos rodeia, para isso temos naves especializadas para o efeito, rápidas e eficazes. Encontrar novos planetas para colonizar é um passo importante para expandir o império e aumentar os nossos recursos.

?? claro que à medida que o nosso império vai crescendo em tamanho a complexa tarefa de o gerir também acompanha esse mesmo crescimento. Temos que estar bem atentos com o que se vai passando em todo o império pois um inimigo pode surgir de onde menos se espera.

Em relação aos inimigos, uma coisa podemos garantir, eles são mesmo complicados. Revelam uma inteligência acima da média, o que nos obriga a pensar duas vezes antes de os atacar. Mas um inimigo pode passar a nosso aliado se o soubermos aliciar. Podemos estabelecer alianças com um determinado império e com isso tentar derrotar mais facilmente outro império presente no jogo.

Como se não bastasse lutar com impérios hostis, ainda temos que lidar com os piratas do espaço. Eles são uma autêntica dor de cabeça, mas também podem servir como aliados se lhes pagarmos bem. A presença destes piratas é facultativa, quando configuramos o jogo temos a opção de os incluir ou não. Caso estejam incluídos eles funcionam como mercenários que trabalham para quem lhes pagar mais. De tempos a tempos estes mesmos piratas efectuam ataques, sendo esses ataques direccionados a quem lhes pagar menos. Temos que estar sempre em alerta pois quando um ataque está iminente temos que ter o cuidado em tentar oferecer mais créditos pela ???cabeça??? do nosso inimigo.

Em termos de jogabilidade, o jogo está muito acima da média. A Ironclad Games está de parabéns pois é muito fácil navegar pelo vasto universo e com poucos clicks conseguimos aceder a qualquer ponto do universo. Para os mais veteranos e já habituados a estas andanças, aconselhamos a utilizar os imensos atalhos presentes no teclado pois são uma ajuda bem preciosa.

No que toca a grafismo, o jogo não prima pela beleza. Podemos dizer que os gráficos são para o fraco mas também não é um estilo de jogo que dependa muito desse aspecto, em suma, cumprem a sua função. Os planetas estão como seriam de esperar e as naves bem recriadas mas com texturas fracas. Como já dissemos, este género de jogo não necessita de grandes gráficos pois passamos a maior parte do jogo com uma vista panorâmica de todo o universo, para um melhor controlo das operações.

A nível sonoro o jogo cumpre perfeitamente, bons efeitos sonoros e uma boa música de fundo que cria o ambiente adequado ao universo do jogo.

O jogo conta também com um modo multiplayer, e aqui temos o derradeiro desafio. Neste modo batalhas épicas nos esperam, estejam preparados para passar longas horas a tentar aniquilar os nossos adversários. Este modo de jogo está dividido em LAN Games e Ironclad Games. Em ambos pudemos ter um máximo de dez jogadores ao mesmo tempo. Nos jogos via internet temos que criar uma conta na Ironclad Online utilizando o número de série incluído no jogo. Apesar do modo multiplayer online ser bastante desafiador é muito complicado encontrar jogadores disposto a longas batalhas. Quando damos por nós o inimigo já abandonou o jogo.

Sins of a Solar Empire foi um jogo que nos surpreendeu pela positiva. Muito exigente mas ao mesmo tempo simples. Apesar da sua complexidade é relativamente fácil entrar no ritmo do jogo, e se queremos mesmo compreender o jogo somos recompensados com uma experiência deveras gratificadora. Muitas são as vezes que damos por nós a sorrir quando conseguimos suster um ataque de vários inimigos ao mesmo tempo. Munido de um interface soberbo, de uma jogabilidade simples e intuitiva, Sins of a Solar Empire é de facto o expoente máximo em jogos deste género.


1 comentário

comments powered by Disqus
Eurogamer
9/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de GameVicio
©2016 GameVicio