GameVicio Entretenimento: GameVicio | FlashVicio | Hhide.ME | ClubVicio | Fórum | Flow | MovieVicio

Review de Final Fantasy Tactics A2: Grimoire of the Rift para DS de Outer Space

por Guimephiles, fonte Outer Space, data  editar remover


Seguindo com seu Projeto Ivalice, que visa expandir o mundo de jogo introduzido em Final Fantasy Tactics do PSX, a Square Enix lança a aguardada seqüência de FF Tactics Advance, do GBA, para o portátil de duas telas da Nintendo ??? uma evolução natural. Contado com várias das características da franquia, principalmente o sistema de profissões (jobs) e o movimento baseado em uma grade quadriculada, e reapresentando pontos específicos de Advance, como a presença dos juízes durante as lutas, Grimoire of the Rift conta ainda com a facilidade das duas telas, sendo capaz de apresentar mais informações e de maneira mais organizada.

Entre dois mundos


Grimoire of the Rift tem uma história pouco original, inclusive um pouco similar à de Tactics Advance: o garoto Luso, péssimo aluno e um pouco desbocado, acaba sendo mandado por um de seus professores para limpar a biblioteca da escola após chegar atrasado pela enésima vez em sua aula ??? e bem antes de começarem as férias de verão. Desanimado, ele abre um livro que encontra em cima da mesa e começa a folheá-lo, vislumbrando pinturas de guerreiros em armaduras e batalhas medievais e uma história que lhe chama a atenção. Pulando direto para o final, ele percebe que as últimas páginas estão em branco, e o último parágrafo escrito no meio do livro fala que surgirá alguém para contar o final da história. Ao se questionar sobre quem seria essa pessoa, Luso é magicamente transportado para o mundo de Ivalice, surgindo no meio de um confronto entre uma guilda de aventureiros e um monstro galinha enorme. Sendo salvo por eles, o garoto passa a ingressar em suas fileiras até encontrar uma maneira de voltar para casa.

O jogo se desenvolve ao longo de diversas quests, missões recebidas nas tavernas espalhadas pelas cidades de Ivalice, por cujas informações as guildas pagam uma pequena taxa aos donos dos estabelecimentos. Após aceitar um serviço, o jogador inicia uma batalha a partir do mapa do mundo, que representa as localidades a serem visitadas. Utilizando uma quantidade de unidades determinada no início da fase (número que varia normalmente entre 3 e 5), ele deve vencer o desafio proposto, seguindo regras aleatórias estabelecidas pelos juízes do mundo previamente ao encontro. Na medida em que for progredindo, o jogador vai avançar a história do jogo e habilitar novas profissões para os membros de sua guilda, que podem pertencer a diferentes raças, oferecendo um sem-número de combinações -- lembrando ainda que algumas profissões são específicas de determinadas raças, e não estão disponíveis para membros de outras.

As batalhas utilizam um mapa bidimensional em visão isométrica, tendo cada unidade representada por um personagem ou monstro, todos desenhados em bitmaps que lembram jogos (principalmente RPGs) da era 16-bits, mas bem caprichados. A ação ocorre em turnos, e cada unidade age em um determinado momento conforme a ordem de iniciativa, calculada previamente e variando conforme a profissão do personagem (sua classe, que determina suas habilidades, forças e fraquezas), seus atributos, equipamentos e efeitos de magias ou poderes especiais que estejam agindo sobre ele. Nas versões para consoles da Sony, o campo de batalha é composto por um cenário tridimensional, permitindo funções como girá-lo e aproximar ou afastar a visualização, e assim enxergar melhores ângulos. Nesta versão, no entanto, assim como era no primeiro Tactics Advance, os mapas são bidimensionais e não permitem todos estes efeitos, sujeitando o jogador a erros devido à falta de sensação de profundidade e piorando a precisão da stylus (com a qual é possível controlar a ação, em conjunto com os botões).

Em sua vez, cada personagem pode se locomover por uma quantidade de quadrados determinada pela profissão e equipamentos que concedam bônus específicos (ou poderes especiais como teleporte) e fazer alguma ação, como atacar, disparar uma flecha, conjurar uma magia ou utilizar alguma habilidade especial ??? um esquema bastante similar ao de outros RPGs da Square. Como era de se esperar, as habilidades especiais variam conforme a profissão e são adquiridas a partir dos itens com os quais os personagens estão equipados ??? cada qual oferece determinados treinamentos para cada profissão e, após conquistar algumas batalhas e juntar pontos de experiência suficientes, a unidade adquire aquela capacidade permanentemente, podendo dispensar o item em prol de algum mais poderoso ou que ofereça novas perícias.

A presença dos juízes oferece aos participantes da batalha uma espécie de imunidade contra a morte (mas apenas aos afiliados a guildas), sofrendo apenas nocaute quando seus pontos de vida são minados pelos ataques dos inimigos ??? mas contando que eles cumpram condições especiais propostas logo no início do embate. Normalmente, existem restrições contra algum tipo de ataque (ataques à distância, ataques que causem dano de fogo, etc.) ou ação (não usar poções ou não curar os aliados) e os jogadores que respeitam estas regras recebem como contrapartida alguns bônus nas estatísticas de suas unidades, como melhor defesa (e conseqüentemente menos danos sofridos), maior poder de ataque, experiência extra, dentre outros. Assim que desobedecerem à norma, eles imediatamente perdem seus benefícios, além de não poderem mais utilizar habilidades de reviver personagens caídos e receberem outras penalidades. Infelizmente, algumas regras são absurdas demais para serem seguidas, como a regra de "no knockback", que independe do jogador, uma vez que o knockback é provocado por acertos críticos aleatórios por parte de suas unidades.

Ao finalizar uma quest ??? normalmente após a derrota de vários monstros ??? a guilda é premiada com pontos de experiência e habilidade, que tornam os personagens mais poderosos na medida em que vão avançando de nível, além de tesouros na forma de Gil (a moeda corrente de Ivalice) e de itens especiais diversos. A evolução das unidades que participaram ativamente da batalha é mais rápida, porém, para evitar que o jogador seja forçado a rodiziar demais todos os seus personagens e fique repetindo fases para angariar pontos, todos os demais membros da guilda recebem alguma quantidade de experiência e acabam acompanhando os companheiros mais ativos. Batalhas finalizadas sem que nenhuma das regras dos juízes seja quebrada oferecem melhores recompensas, compensando o desafio superior.

Não apenas os personagens evoluem, mas também a própria guilda, recebendo pontos em estatísticas como Negociação e Trabalho em Equipe. E quanto mais pontos ela possuir em seus atributos, maior será seu acesso às mais de 400 quests espalhadas pelo jogo, e mais áreas do mapa poderão ser por ela controladas, oferecendo-lhe benefícios diversos, como descontos na compra de itens e acesso a subquests que trazem novas histórias que são, em geral, mais interessantes que o plot principal.

Mais do mesmo?


Apesar das sutis diferenças, muito se conservou na transição entre as versões de GBA e NDS. Além da possibilidade de demonstrar estatísticas e informações em duas telas, gerando menor poluição visual, foram implementos dois tipos de controles: através dos direcionais, navegando em menus e pressionando os botões para confirmar ou cancelar as escolhas e através da tela de toque, selecionando as opções com a ponta da stylus. Infelizmente, os gráficos são muito pequenos, e a precisão da peça deixou realmente a desejar. E mesmo que essa dificuldade não existisse, como não houve quaisquer novidades que realmente dependessem da tela de toque (que foi realmente mal aproveitada), o esquema de controle parece estar presente apenas para "bater ponto" no portátil, assim como vários jogos de Wii se utilizam do sensor de movimento apenas para constar.

A trilha sonora contém uma excelente revisão de canções de outros jogos situados em Ivalice, tendo sido elaborada pelo mesmo compositor de Final Fantasy XII e alguns outros jogos da franquia situados naquele mundo, contando inclusive com diversas novas faixas. Temas épicos misturam-se a canções tristes e batidas mais fortes, cada qual apropriada para o clima a ser passado durante uma missão ou uma cena que avance o plot entre as quests.

A caminho de casa


A jornada de Luso pode demorar mais de 100 horas, dependendo da paciência do jogador em cumprir todas as sidequests opcionais, o que tem suas recompensas, mesmo considerando o fato de que algumas missões podem demorar mais de meia hora para serem finalizadas, o que é tempo demais considerando ser um jogo para um console portátil. A função de quicksave que permite interromper o jogo a qualquer hora, desligando-o e voltando de onde havia parado ao reiniciá-lo (presente também nos remakes de FF de GBA e NDS) ameniza bastante este problema. Os diálogos que constroem a história foram em sua maioria bem elaborados e rebuscados, mas em alguns momentos acabaram forçados demais, com muitas personalidades caricatas entrando em ação a cada momento.

Existem alguns extras no jogo, como personagens secretos (alguns dos quais são velhos conhecidos) e modos diferentes presentes após o final (infelizmente, as batalhas entre dois ou mais jogadores não estão incluídas aí). Os donos de um cartucho do FFTA original também terão uma boa surpresa caso iniciem FFTA2 com ele inserido no DS.


O Veredicto
: Grimoire of the Rift é uma excelente seqüência para FFTA, e os fãs do jogo original não se decepcionarão com o material apresentado, assim como os apreciadores de RPGs de estratégia em turnos. Apresentando uma quantidade satisfatória de fases, a elevada possibilidade de customização da guilda e de seus membros ao gosto e estilo de jogo de cada um e um bom fator de replay (para testar novas configurações e caminhos), o pacote disponível é atraente o suficiente para não ser ignorado.


Prós:

- Jogabilidade viciante e profunda, contando com bastantes opções;
- Excelente trilha sonora;
- Pacote com extensas horas de jogabilidade.


[/t2]Contras:[/t2]

- História sem graça e cheia de clichês;
- Regras inconvenientes em alguns momentos podem estragar a diversão das batalhas.


Nenhum comentário

comments powered by Disqus
Outer Space
8/ 10
Média da crítica
Média dos usuários
Sua nota

Sobre o colaborador

avatar de Guimephiles
©2016 GameVicio